Animação 'Angeli The Killer' traduz cabeça de cartunista em massinha

Por admin

O pensamento anárquico que marcou a revista “Chiclete com Banana” e o trabalho de seu fundador, o cartunista Angeli, foram convocados pelo animador Cesar Cabral para dar vida a “Angeli The Killer”, série que estreia neste sábado (15), às 23h45, no canal pago Canal Brasil.

Cabral é autor do divertido curta-metragem “Dossiê Rê Bordosa” (2008), ganhador mais de 70 prêmios ao transformar a popular personagem de Angeli em animação stop-motion.

Leia também:
Animação ‘Your Name’ apresenta história de amor a partir de poema milenar japonês
Os Smurfs ganham filme totalmente em animação

A técnica é retomada agora para a série, que começou a ser pensada há cinco anos. “O custo é muito alto, é um processo muito lento, mas o momento ficou propício com a criação do Fundo Setorial do Audiovisual”, diz o diretor.

Cada um dos 13 episódios de 11 minutos segue um tema, sobre o qual Angeli falava em entrevistas que serviram de base para o roteiro. A partir daí, os personagens dele – e o próprio artista em sua versão de massinha – são convocados para lidar com questões que vão do fetiche e da política ao pseudointelectualismo.

“Cresci no universo das HQs dos anos 1980 e queria buscar um espírito próximo ao da ‘Chiclete com Banana’”, diz Cabral, que reuniu atores consagrados para dublar os personagens, incluindo Paulo César Pereio como o misógino Bibelô, Milhem Cortaz como Bob Cuspe e André Abujamra – também autor da trilha sonora – na voz de Rhalah Rhikota. Alessandra Negrini é a única que surge de carne e osso na pele de Mara Tara.

“Nas HQs, cada um imagina uma voz. É delicado e é fácil errar a mão, mas fomos bem felizes. O carisma da obra do Angeli ajudou muito a fazer as pessoas toparem”, diz o diretor, que no momento prepara um longa sobre Bob Cuspe.

Veja o trailer de "Angeli The Killer":

Loading...
Revisa el siguiente artículo