Protagonistas de ‘13 Reasons Why’ falam sobre bullying e suicídio na série

Por admin

Apesar de abordar um tema difícil, “13 Reasons Why”, lançada na sexta passada, conseguiu chamar a atenção do público jovem, que deixou a série entre os trending topics do Twitter com a hashtag #NaoSejaUmPorque, incentivando o fim do bullying. Baseada no livro “Os 13  Porquês”, de Jay Asher, a produção mostra a história de Clay Jensen (Dylan Minnette) e de sua paixão platônica, Hannah Baker (Katherine Langford). Ela se suicidou e deixou 13 fitas nas quais explica ao rapaz o motivo de ter se matado. Conversamos com a dupla protagonista, que, aos 20 anos, alcançou a fama em um só fim de semana.

Vocês acham que a série pode gerar alguma controvérsia por causa do tema?
Katherine Langford: Não acho que a série seja necessariamente controversa. Para ser honesta, não estamos falando de algo inédito. Um dos objetivos é contar a verdade e mostrar de forma autêntica o que está acontecendo e deixar o público decidir o que é certo e errado.

Leia também:
Selena Gomez faz estreia como produtora com a série ‘13 Reasons Why’
Selena Gomez revela vício em Instagram e falta de autoestima

A série é capaz de gerar um debate sobre o bullying?
KL: Sem dúvida.
Dylan Minnette: Todos os envolvidos têm as melhores intenções. É por isso que criamos personagens que enfrentam diferentes situações. Isso os torna reais. Houve a preocupação de não romantizar ou glorificar nenhum deles, nem de demonizá-los. Há uma responsabilidade em passar a mensagem da melhor forma possível.

Vocês tiveram preparo especial para criar os papéis?
DM: A equipe nos fez conversar com psiquiatras e consultores durante a pré-produção para esclarecer algumas dúvidas e também nos acompanhar durante o processo de gravação. A personagem de Katherine passa por muitos momentos desafiadores. Nós também tivemos a oportunidade de conversar com pessoas que estiveram próximas do tema e com vítimas de qualquer assunto com o qual estávamos lidando na série. Isso certamente nos ajudou muito a ter mais conhecimento sobre as questões.
KL: Os produtores foram excepcionais e estiveram bem próximos. Eles sabiam que levaríamos seis meses gravando e que éramos jovens atores. Era importante estarmos bem informados, apesar de nós querermos incorporar os personagens de forma realista e com nosso instinto.

O que os ajudaria se vocês estivessem em uma situação como a de Hannah?
KL: Não sou qualificada para dar uma opinião profissional sobre o assunto, mas dizem que adolescentes estão sempre deprimidos, como se isso fosse algo normal, quando, na verdade, é um sinal de que há algo errado na sociedade. Acho normal se sentir isolado durante os últimos dias do ensino médio. Há bastante pressão para sair da escola, para se adaptar, para entender quem você é e decidir o que fazer do futuro. É muita coisa para processar, e isso é diferente de estar deprimido. Por isso precisamos de mais educação, para saber quando alguém realmente precisa de ajuda. Nem todo mundo que fica deprimido segue o mesmo caminho que Hannah, mas a verdade é que muitos jovens estão lidando com isso. E acho que todos concordamos que o suicídio de adolescentes é uma tragédia. Precisamos descobrir onde estamos errando.
DM: No caso de Hannah, quero que as pessoas percebam que a menor coisa que você faça pode impactar a vida de alguém para o bem ou para o mal. Não há um jeito perfeito de fazer as coisas, mas é possível estar alerta para quem está a sua volta. Você pode fazer a diferença.

O que vocês farão na segunda ou terceira temporada?
DM: Eles ainda estão decidindo isso. Tudo depende se as pessoas vão querer ver mais. Há algumas ideias, mas, ao fim, muito será decidido com base na reação do público. Há bastante material no livro, mas teremos que esperar.

O fato de Selena Gomez produzir influenciou algo?
DM: Sabemos que a série vai atingir muita gente por causa da influência que ela tem sobre as pessoas.
KL: Acho que a série está em boas mãos com Selena, porque ela viajou o mundo, conheceu muita gente e tem uma sensibilidade para o que está acontecendo com os jovens de hoje. Ela ouve histórias de fãs todos os dias. Esse alcance ajuda a espalhar uma mensagem tão importante.

Ela deu conselhos sobre como interpretar Hannah?
KL: Ela é superocupada e apenas a conhecemos no fim das gravações. Ela não conversou comigo sobre Hannah, mas ela tem nos apoiado bastante em relação a como lidamos com nossas mídias sociais. Ela sabe o que significa ter sua vida às vistas do público, e tem sido incrível em nos ajudar com o que virá.

Veja o trailer de "13 Reasos Why":

Loading...
Revisa el siguiente artículo