CCBB tem mostra de cinema árabe e arte contemporânea

Por fabiosaraiva
Joana Vasconcelos, Palácio Nacional da Ajuda, Lisboa, 2013 Uma das obras da exposição “Ciclo”, do CCBB | Divulgação

O CCBB (Centro Cultural Banco do Brasil) apresenta nesta segunda-feira duas opções culturais para gostos variados: uma exposição de arte contemporânea e uma mostra dedicada ao cinema árabe.

A mostra “Ciclo” apresenta obras de 14 artistas de diferentes gerações e nacionalidades. Com curadoria de Marcello Dantas, a exposição ocupa todos os andares da instituição com o conceito de ready-made criado pelo artista francês Marcel Duchamp (1887-1968), que reinventou a arte e subverteu seus significados ao expor um mictório invertido. Artistas fazem o mesmo agora com materiais diversos, como palitos de dente, doces e até lixo.

A mostra será dividida em dois blocos. O primeiro, com a maioria das grandes instalações e esculturas, já está em cartaz atualmente, espalhado por todo o CCBB. No dia 6/9 serão apresentadas obras do alemão Michael Sailstorfer e do canadense Douglas Coupland e a performance do chinês Song Dong.

Serviço: CCBB-SP (r. Álvares Penteado, 112, Centro; tel.: 3113-3651). A primeira etapa está em cartaz e a segunda abre no dia 6/9. De qua. a seg., das 9h às 21h. Grátis. Até 27/10.

[metrogallerymaker id=”330″]

Já a 9ª Mostra Mundo Árabe apresenta filmes inéditos produzidos nos países árabes e filmes latino-americanos com temática árabe. Neste segundo grupo, as produções participaram do Festival Internacional de Cinema de Dubai e do Festival de Cannes. A curadoria foi feita pelo Instituto da Cultura Árabe.

“Ondas” (Waves, 70 min, Egito, Marrocos e Qatar, 2013, Documentário) – Direção: Ahmed Nour. Elenco: Ahmed Ghazali, Ahmed Nour, Hala Rami. Sinopse: Antes de assumir o governo do Egito, por meio de um golpe de Estado, o futuro ditador Hosni Mubarak ouviu de uma vidente que ele ocuparia um elevado cargo no país, mas poderia perdê-lo em Suez. Em 25 de janeiro de 2011, a Revolução Egípcia, antes de chegar à Praça Tahir, no Cairo, estoura na cidade de Suez. Baseado em sua história pessoal nos últimos 30 anos, o diretor Ahmed Nour, natural de Suez, conta, por meio de imagens poéticas e técnicas de animação, a trajetória de uma geração revolucionária que nasceu nos anos 1980, depôs Mubarak e, posteriormente, também alijou Mohamed Mursi do poder. Inédito no Brasil.

“O Conhecimento é o Começo” (Knowledge is the Beginning, 115 min, Alemanha, 2005, Documentário) – Direção: Paul Smaczny. Elenco: Daniel Barenboim, Edward Said e Orquestra Divan. O filme defende a tolerância entre os povos e é uma homenagem à amizade. O filme do diretor Paul Smaczny retrata o encontro entre o maestro israelense de origem argentina Daniel Barenboim e o intelectual palestino Edward Said, professor da Columbia University, que culminou na criação da Orquestra Divan Ocidente-Oriente, composta por músicos palestinos, israelense e oriundos de outros países árabes. O nome Divan vem da tradição árabe de contar histórias, poemas e tocar instrumentos como uma forma de interagir, compartilhar, solidarizar e humanizar. O filme venceu o Emmy Award de 2006 como Melhor Documentário de Arte. A exibição do filme celebra os 10 anos do Instituto da Cultura Arabe, instituição fundada sob a inspiração de Edward Said (1935-2003).

Serviço: CCBB-SP (r. Álvares Penteado, 112, Centro; tel.: 3113-3651). “Ondas”, às 17h30. “O Conhecimento é o Começo”, às 19h30. R$ 4 e R$ 2 (meia).

Conteúdo Patrocinado
Loading...
Revisa el siguiente artículo