Amor impossível entre gays palestino e israelense baseia "Além da Fronteira"

Por Carolina Santos
Nicholas Jacob e Michael Aloni protagonizam ‘Além da Fronteira’ | Divulgação Nicholas Jacob e Michael Aloni protagonizam ‘Além da Fronteira’ | Divulgação

Antes de fazer “Além da Fronteira”, que estreia nesta sexta-feira, a maior experiência de Michael Mayer com cinema era como preparador de trailers. Ele resolveu ir para atrás das câmeras quando conheceu o drama de gays palestinos em Israel. Assim nasceu o longa, que narra a história de amor entre um estudante palestino e um advogado israelense tentando ficar juntos diante de sucessivos impedimentos após o primeiro ser expulso de casa e perder o visto. O longa venceu o prêmio de melhor filme estrangeiro do último Mix Brasil.

 

Como foi sua aproximação com o tema?

Soube que um amigo meu se voluntariou, em Israel, para ajudar gays palestinos rejeitados pela família e ameaçados de morte após se assumirem. Fui para lá e passei seis meses. Tive a oportunidade de conhecer um monte de gente que estava nessa situação. O filme é uma compilação de histórias. Tudo ali realmente aconteceu, mas não com alguém em particular.

 

Você lida com dois temas difíceis: o conflito árabe-israelense e o amor homossexual. Que cuidados você tomou ao abordá-los?

Quando ainda estávamos fazendo a pesquisa, achei que este seria um filme mais político, explicando a questão. Mas, quanto mais conhecíamos aquelas pessoas, mais sabíamos que precisávamos mudar de foco. Algumas estão no filme, em papéis pequenos. Um dos rapazes não falava com a família havia cinco anos e, quando estávamos com ele, a mãe telefonou. Não importava que ele tivesse sido preso por estar ilegal ou interrogado pelo serviço de segurança israelense… O que mais nos tocou foi o fato de a mãe dele ter falado com ele pela primeira vez em cinco anos. Essa foi a história que mais nos mexeu e esse foi o filme que quisemos fazer, sobre o impacto emocional do conflito.

 

Como foi a recepção do filme pelo mundo?

De início fiquei surpreso, porque começamos em um festival muito grande [o de Toronto]. Depois, fomos a festivais menores. Por onde ele passa, as reações são as mesmas, o público se conecta.

 

Você filmou sem permissão em Ramallah [cidade palestina]. Como conseguiu?

Senti que algumas coisas precisavam ser reais. Fizemos cenas de rua sem permissão, com uma câmera pequena, porque senão viveríamos um pesadelo logístico.

Conteúdo Patrocinado
Loading...
Revisa el siguiente artículo