Sequelas da covid-19 podem afetar paciente recuperado

Por Metro Internacional

Aos poucos, novas descobertas são feitas no desconhecido terreno do coronavírus Sars-CoV-2. Sabemos que, apesar de o órgão mais afetado pela covid-19 ser o pulmão, outras partes do corpo humano podem sofrer danos. E ainda há chances de sequelas.

“Conhecemos pouco sobre o coronavírus e todas as complicações. Ele pode determinar sequelas permanentes. Também observamos quadros imunológicos que podem acontecer posteriormente à doença”, afirma Marcelo Otsuka, da Sociedade Brasileira de Infectologia.

Algumas situações já reportadas por médicos e cientistas mundo afora que podem acometer pacientes mais graves da covid-19, não necessariamente relacionadas à resposta autoimune do corpo, são, por exemplo, AVC (acidente vascular cerebral), infarto pulmonar ou até mesmo do miocárdio, músculo do coração. Nesses casos, há a possibilidade de sequelas que persistem após a recuperação.

Em outros quadros, o organismo, para combater o vírus, tem uma reação tão exagerada que acaba combatendo o próprio organismo, fazendo uma “tempestade inflamatória” pelo corpo. “São várias situações em que já não é mais o vírus, é a resposta inflamatória do organismo agredindo”, diz. Isso também pode deixar sequelas.

Pulmões afetados

As autoridades sanitárias de Hong Kong realizaram estudos nos primeiros pacientes recuperados. Uma das consequências mais graves da infecção é a diminuição da função pulmonar em 20% a 30%, o que causa uma falta de ar ao caminhar com rapidez, por exemplo. Isso pode ser decorrente de lesões causadas pela infecção.

O Hospital Princess Margaret, em Hong Kong, que elaborou o estudo, assinala que de uma dezena de pacientes que receberam alta, ao menos três informavam falta de ar ou problemas para fazer um esforço considerado normal.

“A tosse vai melhorando lentamente em um período de sete a 14 dias, o sono e a alimentação podem demorar semanas,  e o nível de energia pode tardar até duas semanas ou mais para retornar à normalidade”, diz a médica pneumologista Arantza Campo sobre a recuperação em casos graves de pneumonia decorrentes da infecção pelo novo coronavírus.

Sentidos confusos

O virólogo alemão Hendrik Streeck, diretor do Instituto de Virologia da Universidade de Bonn, mostrou que até dois terços das pessoas infectadas sofrem de anosmia, condição caracterizada pela perda dos sentidos do paladar e do olfato, que dura alguns dias, assim como episódios de diarreia.

Fígado também

Quando o novo coronavírus se espalha a partir do aparelho respiratório, outra parte pode padecer. “O fígado é um órgão muito vascular. Quando um vírus se introduz na corrente sanguínea, pode ir a qualquer parte do corpo”, afirma Estefan Garfias, especialista em nefrologia.

Mas quando o fígado falha, segundo Garfias, normalmente o paciente não só tem problemas pulmonares e hepáticos como também renais. Então, se converte em uma infecção sistêmica.

Possíveis sequelas da covid-19

Devido à chance de a infecção pelo Sars-CoV-2 generalizar-se, outras parte do corpo podem sofrer danos pela doença, além dos pulmões, principalmente em pacientes com quadro grave da doença

• Cérebro
Além de um possível AVC decorrente da infecção, o Sars-CoV-2 parece afetar o sistema nervoso central, prejudicando o funcionamento do cérebro, segundo estudo em conjunto da UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro), do Idor (Instituto D’Or de Pesquisa e Ensino) e da Queen’s University, no Canadá.

• Paladar e olfato
Uma das possíveis sequelas é a anosmia, perda dos sentidos do gosto e olfato.

• Pulmões
Há chances de redução de 20% a 30% da capacidade pulmonar depois da recuperação. Os transtornos respiratórios, a falta de ar e a tosse seca do peito são consequências. O rendimento físico diminui, inclusive atividades cotidianas podem se tornar difíceis.

• Coração
Complicações cardiovasculares da infecção causada pela covid-19 podem ocasionar um infarto do miocárdio, isto é, ataque cardíaco, além de deixar lesões no músculo do coração.

• Fígado
Quando os níveis de enzimas no sangue ficam anormalmente altos, é um sinal de alerta. Pode ser uma lesão leve da qual o fígado deve se recuperar em seguida ou algo mais grave, gerando insuficiência hepática.

• Rins
O dano renal é comum nos pacientes de covid-19. O coronavírus também tem a capacidade de se fixar, sequestrar e destruir células dos rins. Quando falham, os níveis tóxicos de resíduos podem acumular-se no corpo.

Conteúdo Patrocinado
Loading...
Revisa el siguiente artículo