Na Itália, sintomas do covid-19 levam quase sete dias para aparecer

Por Ansa

O Instituto Superior da Saúde (ISS), órgão submetido ao governo italiano, informou em coletiva de imprensa que os sintomas do novo coronavírus (Sars-CoV-2) demoram 6,6 dias para se manifestar nos casos registrados na Lombardia, a mais afetada do país.

A região contabiliza, segundo os últimos dados divulgados pela Defesa Civil na quarta-feira (29), 75.134 dos 203.591 casos registrados da Covid-19. O levantamento foi feito por uma entidade parceira do ISS, a Fundação Bruno Kessler, de Trento.

LEIA MAIS:
Governo prorroga validade de passe livre para pessoas com deficiência
Ministério da Saúde só enviou a estados 11% de kits de UTI prometidos

De acordo com o diretor Stefano Merler, os estudos na Itália também permitiram mostrar que as crianças são 66% menos suscetíveis a contrair o novo coronavírus, "em um trabalho que será publicado na revista Science" em breve. O especialista ainda manteve os cálculos anunciados no último mês pelo ISS de que os números reais da pandemia na Itália são muito maiores do que o que está sendo publicado.

"Nós fomos criticados e alguns disseram que havíamos errado. Mas, hoje, sabemos que entre 3% e 4% da população, ou seja, quatro milhões, pode ser infectada. Então, os positivos capazes de transmitir a infecção devem ser multiplicados por 10 ou 20, são números muito maiores", destacou ainda.

O presidente do ISS, Silvio Brusaferro, seguiu a mesma linha e destacou que entre 4% e 7% da pessoas que moram no país são consideradas assintomáticas. Apesar dos altos números de subnotificação, Brusaferro ressaltou que a Itália ainda está muito abaixo dos 60% de pessoas contaminadas, o que não permitiria uma liberação geral, já que não ocorre a "imunização de rebanho".

Sobre a fase dois do combate à pandemia no país, o presidente do ISS informou que a recomendação da entidade é de que é preciso "ficar abaixo do índice de contágio R0 próximo a R1 [quando uma pessoa só contamina mais uma pessoa ou menos]" e que por isso diversos setores que envolvem muita convivência não foram liberados nesse primeiro momento – como escolas, bares e restaurantes.

"Os dados que temos apresentado todos os dias são apenas a ponta do iceberg", destacou ainda. A Itália tem mais de 203 mil casos confirmados do novo coronavírus e mais de 27,6 mil mortes.

Loading...
Revisa el siguiente artículo