Paraisópolis inaugura alojamento em escolas para pessoas com covid-19

Por Metro com Bandeirantes

Na favela, às vezes é mais fácil se unir entre os moradores do que esperar uma iniciativa do poder público – o que fica ainda mais evidente com a pandemia de coronavírus. Foi por causa dessa união que a comunidade de Paraisópolis, na zona sul de São Paulo, inaugurou nesta terça-feira (28) dois espaços para receber 500 pessoas com covid-19.

As vagas são para pessoas contaminadas pelo vírus, mas com baixo risco. Os alojamentos foram montados das escolas estaduais Maria Zilda Gamba Natel e Etelvina de Goes Marcucci. Todo espaço é bem aproveitado, além das salas de aula, foi montada uma tenda na área externa para criar mais um quarto com vários leitos.

Veja também:
Doria e Covas vão discutir possível ‘endurecimento’ da quarentena em São Paulo
São Paulo tem novos bloqueios no trânsito para informar sobre covid-19

“O isolamento em Paraisópolis, nas favelas, é impossível, então decidimos criar um espaço para que as pessoas pudessem ficam em quarentena, tirando essas pessoas do grupo familiar onde tem idosos e doentes crônicos, ou seja, a gente tira o doente, preserva a família e a comunidade”, explicou o líder comunitário Gilson Rodrigues ao Jornal da Band.

A comunidade arrecadou R$ 4 milhões com ajuda da ONG Parceiros da Educação. O dinheiro foi usado para equipar os espaços, contratar cerca de 180 funcionários – todos moradores locais – e garantir comida para cinco refeições por dia durante três meses.

Os moradores também conseguiram alugar três ambulâncias que estão disponíveis 24 horas por dia atendendo casos suspeitos.

Para ter direito a internação no centro de acolhimento, o paciente tem quer ser diagnosticado em uma unidade de saúde do bairro, que fará o encaminhamento.

 

Loading...
Revisa el siguiente artículo