Artistas encontram maneiras de manter contato com fãs durante quarentena

Por Portal da Band, com Rádio Bandeirantes

Os artistas estão respeitando o isolamento social, mas têm encontrado maneiras de continuar produzindo – só que no ambiente virtual. Com tantos festivais e apresentações musicais sendo cancelados ou adiados, alguns músicos decidiram fazer lives sem que eles ou os fãs tenham que sair de casa.

O cantor Péricles lançou um projeto chamado Em Casa Com Pericão, que já teve mais de 260 mil visualizações. A repórter Gabrielle Guimarães, da Rádio Bandeirantes, conversou com ele (ouça aqui) e o músico explicou que apesar de as transmissões não passarem a mesma energia das apresentações presenciais, há um lado positivo.

Leia mais:
Em quarentena, Fábio Assunção diz que emagreceu 28kg para personagem
Discovery e TV Cultura apresentam documentário ‘Pandemia: Covid-19’

"A saudade a gente tem. O ao vivo tem uma energia fora do comum e as lives que a gente tem feito também são bem legais. Por exemplo, eu consegui ver gente e receber mensagens de pessoas que estão fora do país. Através da live, a gente chega nessas pessoas. Faz um carinho imenso no coração delas. O ao vivo tem aquela experiência imediata, mas a live também faz muito bem", disse Péricles.

O sambista reforçou que a parte mais importante de se mobilizar para a produção de conteúdo online é que ajuda a acalmar as pessoas e acaba incentivando que elas se informem. É importante lembrar que em outros gêneros musicais, artistas como Marília Mendonça, Caetano Veloso, Anitta, Maggie Rogers e Claudia Leitte também apostaram nas apresentações virtuais como uma alternativa para manter o relacionamento com o público.

No teatro, as peças também não pararam. É o caso da adaptação de Grande Sertão: Veredas, dirigida por Amir Haddad, que estava em cartaz no Rio de Janeiro quando teve de ser interrompida. O ator principal da peça, Gilson de Barros, disse que logo depois da paralisação já sabia que ele precisaria encontrar um outro caminho. Daí, ele sugeriu para o diretor fazer transmissões no Instagram no mesmo dia que estavam programadas as apresentações: de sexta à segunda, às 19h. Amir Haddad topou a ideia e todos esses dias, os dois encenam a adaptação.

"Nessas lives, eu não faço o espetáculo todo. Eu leio uma parte da peça e eu e o diretor debatemos isso. É mais ou menos o nosso processo de ensaio, com direito a broncas. Ele pede para eu repetir a cena e o público participa", Gilson. Para quem quiser acompanhar a peça, a exibição tem sido feita na conta do protagonista nas redes sociais (@barrosgilsonde).

Outros profissionais do teatro também estão se organizando para a divulgação de peças online. Os diretores Charles Möeller e Claudio Botelho, por exemplo, já publicaram algumas como O Despertar da PrimaveraBeatles Num Céu de Diamantes e Um Violinista no Telhado.

Para as crianças, também há alternativas de peças sendo publicadas na internet. A atriz e diretora Carla Candiotto disponibilizou, na íntegra, algumas obras clássicas para o público infantil. Por exemplo, Rapunzel, Os Três Porquinhos João e Maria. Nesse período em que os pais estão de home office e as aulas suspensas, ela contou que sentiu a necessidade de encontrar um meio de fazer a arte e ajudar a essas pessoas.

"A primeira coisa que eu pensei foi: 'O que essas crianças vão fazer em casa?' Porque eu sou mãe também. Mas ao mesmo tempo acho que também foi uma coisa de inconsciente coletivo, que falou 'vamos ajudar"". Carla acredita que o que tem ajudado nesse período de confinamento é, certamente, a arte. Quem tiver interesse em acessar algum desses conteúdos, é só entrar nas redes sociais da Cia. Le Plat du Jour.

Também pensando em alternativas culturais no espaço virtual, a Secretaria Estadual de Cultura e Economia Criativa do Estado de São Paulo lançou o #CulturaEmCasa. É um site em que os usuários encontram opções de consertos, palestras, livros, espetáculos, museus, entrevistas. Tudo isso para assistir de qualquer dispositivo. O secretário da pasta conversou com a Rádio Bandeirantes e disse que esse planejamento já existia, mas que foi antecipado numa tentativa de estimular o público a seguir as orientações de combate ao novo coronavírus.

Nos planos da Secretaria também está a criação de uma plataforma de streaming que disponibilize conteúdos artísticos gratuitos e online. "Uma plataforma que vai estar disponível por aplicativo, computadores, celulares, sempre com conteúdo cultural de alta qualidade e gratuito para a população", afirma o secretário Sérgio Sá Leitão.

E bem antes da chegada do vírus ao Brasil, os museus já estavam adaptados para visitação online. É o caso do Museu da Imagem e do Som (MIS), do Museu do Café, do Catavento, do Museu da Imigração e tantos outros aqui em São Paulo. No entanto, o que mais chama atenção é o Museu Casa Portinari. No #CulturaEmCasa, é possível acessar os arredores do lugar. Parece que você está realmente conhecendo as particularidades do museu, mesmo que remotamente.

Além dos jogos educativos e das exposições, no museu virtual tem a categoria Poéticas da memória. Nela, os visitantes podem visualizar as pessoas que fizeram parte da família do tão renomado artista Cândido Portinari. Remotamente, também dá para visitar ótimos museus mundo a fora. É o caso do Museu Uffizi, que fica em Florença, do Museu Arqueológico de Atenas, e também do Museu Metropolitano de Nova York. Todos disponíveis para visitação virtual.

Todas essas opções de música, peças de teatro e obras deixam evidente a importância da arte nesse período de confinamento. O psicólogo e psicanalista Luiz Hanns disse que acredita que o meio artístico pode contribuir positivamente para o equilíbrio mental. "A arte nas suas várias formas consiste num ato humano de arrancar daquilo que ainda não está expresso, mas todos nos sentimos, com alguma coisa. E quando a gente finalmente vê com os olhos, ou ouvidos, ou voz emprestada, a gente enxerga como nossa", disse.

"É um poema que revela para mim alguma coisa que eu sempre intui, eu sempre senti, e esse artista conseguiu colocar em palavras. Nesse período de confinamento, as pessoas podem encontrar na arte, um suporte para muitas coisas", completou. Ainda de acordo com o psicólogo e psicanalista, é importante ressaltar que ocupar o tempo no isolamento tem potencial para em algum momento acabar estimulando o autoconhecimento, que é super importante.

Loading...
Revisa el siguiente artículo