Quando a pandemia de coronavírus terminará e o que acontecerá depois?

Por Metro Jornal

Desde a crise da gripe espanhola, em 1918, o Brasil nunca mais presenciou um caso de pandemia tão alarmante. Por isso, é comum que muitas pessoas se questionem quando a pandemia de coronavírus terminará o que acontecerá depois.

Ed Yong, especialista em ciências da The Atlantic, revista americana, escreveu uma extensa análise do futuro da pandemia e dos possíveis cenários para o que pode acontecer com os Estados Unidos. "Uma pandemia global dessa magnitude era inevitável", disse ele.

"Nos últimos anos, centenas de especialistas em saúde escreveram livros, relatórios para políticos e colunas de opinião para alertar a mídia sobre a possibilidade. Bill Gates tem contado para quem quiser ouvir, incluindo 18 milhões de telespectadores de seu TED Talk”.

Segundo o especialista, para conter o vírus os países "devem desenvolver um teste e use-o para identificar pessoas infectadas, isolá-las e rastrear aqueles que tiveram contato com elas”. No entanto, poucos países adotaram o método.

Foi o que a Coréia do Sul, Cingapura e Hong Kong fizeram e tiveram excelentes resultados. Contudo, o Brasil e o Estados Unidos, por exemplo, não adotaram.

Futuro: "Itália e Espanha oferecem alertas sombrios sobre o futuro”

"Os hospitais ficaram sem salas, suprimentos e funcionários. Incapazes de tratar ou salvar a todos, os médicos foram forçados ao impensável: racionar os pacientes com maior probabilidade de sobreviver, enquanto deixam outros morrerem. Os Estados Unidos têm menos leitos hospitalares per capita que a Itália”, enfatiza.

O especialista ainda lembrou do estudo do Imperial College London que estimou que, sem medidas de qualquer tipo, a COVID-19 mataria 2,2 milhões de americanos.

O que fazer para evitar o pior cenário? Ed Yong indica quatro medidas

A primeira é produzir urgentemente máscaras, luvas e outros equipamentos de proteção individual para os profissionais de saúde.

Segundo:  uma implantação maciça de testes de COVID-19.

Terceiro: distância social. "As medidas levarão um tempo durante o qual a pandemia irá acelerar além da capacidade do sistema de saúde ou será reduzida a níveis onde possa ser contida", de acordo com a capacidade da população de diminuir o contágio.

Quarto: informação adequada ao público. Três cenários para o futuro da pandemia O especialista explica que mesmo com uma resposta eficiente a pandemia não acabaria tão rápido.

"Enquanto o vírus persistir em algum lugar, existe a chance de um viajante infectado reacender novas faíscas em países que já apagaram seus incêndios. Isso já aconteceu na China, Cingapura e outros países asiáticos que pareciam ter o vírus brevemente sob controle”, explica.

Diante disso, ele análise três cenários para o futuro da pandemia.

1. Todos os países controlam o vírus

“Todos os países conseguem controlar o vírus simultaneamente, como aconteceu no caso da SARS original em 2003. Dada a extensão da pandemia do coronavírus e a gravidade da situação em muitos lugares, as possibilidades de controle síncrono em todo o mundo parecem estar diminuindo”.

2. Sobreviventes imunes, mas milhões de pessoas mortas

"O vírus faz o mesmo que as pandemias de gripe do passado: queima o mundo e deixa sobreviventes imunes suficientese, finalmente, é difícil para ele encontrar convidados viáveis.

Esse cenário de 'imunidade à matilha' seria rápido e, portanto, tentador. Mas também teria um custo terrível: o SARS-CoV-2 é mais transmissível e mortal que a gripe e provavelmente deixaria milhões de cadáveres e toda uma série de sistemas de saúde devastados”.

3. Quarentena até a vacina

“O mundo joga um longo jogo de esconde-esconde com o vírus e erradica os surtos que aparecem até que uma vacina possa ser produzida. Essa é a melhor opção, mas também a mais lenta e a mais complicada”. Isso porque até o momento, não existem vacinas para os coronavírus, porque nunca houve uma pandemia com uma.

"O novo coronavírus, portanto, provavelmente será uma parte duradoura da vida nos Estados Unidos por pelo menos um ano, se não muito mais”, advertiu Yong. "Se a atual rodada de medidas de distanciamento social funcionar, a pandemia pode diminuir o suficiente para que as coisas voltem à aparência de normalidade".

Loading...
Revisa el siguiente artículo