Covid-19: quarentena inspira filme e livro na Itália

Por Ansa

A pandemia de coronavírus deu um duro golpe na cultura da Itália, com fechamento de museus, cancelamento de shows e adiamento de lançamento de livros, mas também está servindo de inspiração para a criação de novas obras.

Nos últimos dias, pelo menos dois grandes nomes da cultura italiana, um do cinema e outro da literatura, anunciaram projetos motivados pelo regime de confinamento imposto pelo Sars-CoV-2.

LEIA MAIS:
Coronavírus: Taxa de letalidade bate recorde na Itália com 919 mortos em 24 horas
Internada em UTI, idosa aguarda resultado do exame de coronavírus há 8 dias em SP

O cineasta Gabriele Salvatores, vencedor do Oscar de melhor filme estrangeiro em 1991 por "Mediterrâneo", confirmou que dirigirá um documentário chamado "Viaggio in Italia" ("Viagem pela Itália", em tradução livre), que contará a vida e as emoções das pessoas confinadas em casa neste trágico momento histórico.

Salvatores lançará um apelo nas redes sociais para internautas mandarem materiais inéditos, gravados sempre dentro de casa e que apresentem a rotina e o pensamento das pessoas em isolamento: o que se vê da própria janela, os medos, as reflexões, quem está trabalhando, quem foi forçado ao repouso.

Um grupo formado por colaboradores em todo o território nacional se ocupará da coleta dos vídeos, e o objetivo do cineasta é produzir um relato cronológico da pandemia, desde quando os italianos olhavam para a China e pensavam no novo coronavírus como algo distante.

LEIA MAIS:
Covid-19: Prefeitos ameaçam ir à Justiça contra fim de isolamento
Quando a pandemia de coronavírus terminará e o que acontecerá depois?

Literatura
No campo literário, o escritor Paolo Giordano, famoso mundialmente pelo romance "A solidão dos números primos", lançará em breve o livro "Nel contagio" ("No contágio"), que, nas palavras da editora Einaudi, aborda a "emergência sanitária mais importante de nossa época".

"Não tenho medo de adoecer. Do que tenho medo, então? De tudo aquilo que o contágio pode mudar. De descobrir que a estrutura da civilização que conheço é um castelo de cartas. Tenho medo da extinção, mas também de seu oposto: que o medo passe em vão, sem deixar atrás de si uma mudança", diz um trecho do livro.

No volume, Giordano, que tem doutorado em física, aborda a complexidade do mundo em que vivemos, de suas lógicas sociais, políticas, econômicas, interpessoais e psíquicas. O dinheiro arrecadado com a venda do livro financiará duas bolsas de estudo, uma de inteligência artificial e outra de análise de dados aplicada à epidemiologia, na Escola Internacional Superior de Estudos Avançados de Trieste (Sissa).

Loading...
Revisa el siguiente artículo