Prejuízo do adiamento da Olimpíada de Tóquio será bilionário

Por Fernando Valeika de Barros, especial para o Metro

Para atletas e dirigentes, o bom senso prevaleceu com o adiamento da Olimpíada de Tóquio, de julho de 2020 para o ano que vem. A informação foi confirmada pelo primeiro-ministro japonês, Abe Shinzo, nesta terça-feira (24).

Mas isso terá custos financeiros – e eles serão consideráveis. Segundo uma estimativa do professor Katsuhiro Miyamoto, professor de economia da Universidade de Kansai, no Japão, a realocação dos Jogos Olímpicos custará entre U$ 5,4 bilhões e U$ 6,2 bilhões ao governo do país organizador.

Um bom pedaço do prejuízo será com a manutenção dos estádios, piscinas, pistas e ginásios e dos edifícios da Vila Olímpica, estimada por Miyamoto em U$ 3,8 bilhões.

Veja também:
Olimpíada de Tóquio é adiada para 2021, diz primeiro-ministro japonês
Coronavírus: Uefa adia finais da Champions e Liga Europa

Haverá também efeitos nas receitas do turismo, claro. Um dos principais hotéis de Tóquio, o Imperial estima que terá uma queda de 37% no seu faturamento neste ano. Já estava ruim, a partir março, quando a epidemia do covid-19 tinha causado uma drástica queda de ocupação de seus quartos: – de 80%, em março de 2018, para menos da metade, este ano.

Ainda assim, era uma decisão inevitável. “Na minha conversa com o primeiro-ministro, Abe Shinzo, as consequências financeiras não foram discutidas e não são a prioridade. Quisemos proteger vidas”, disse em uma entrevista coletiva, o alemão Thomas Bach, presidente do COI (Comitê Olímpico Internacional).

Conteúdo Patrocinado
Loading...
Revisa el siguiente artículo