Supermercados descartam risco de desabastecimento

Por Metro Jornal

Diante do avanço da covid-19 no Brasil, consumidores ampliaram a ida aos supermercados. Segundo a Apas (Associação Paulista de Supermercados), o movimento nos estabelecimentos do estado cresceu 18% ontem em relação ao dia 17 de fevereiro.

O presidente da entidade, Ronaldo dos Santos, diz que a cadeia produtiva está operando normalmente, sem falta de produtos. A única exceção é o álcool em gel. Ele afirma que não há necessidade de corrida aos supermercados e que os clientes devem realizar um consumo consciente, pensando sempre na coletividade. “Não há necessidade de estocar produtos. Pode haver ruptura pontual nas gôndolas, porém os supermercados têm se esforçado para disponibilizar os produtos o mais rápido possível”, diz.

No final de semana, a frequência já havia aumentado 8,5% em algumas lojas. Consumidores da capital buscavam, principalmente, papel higiênico, arroz, leite, macarrão e álcool em gel, segundo a Rádio Bandeirantes. Na zona norte, na manhã de domingo, era possível observar carrinhos cheios com uma grande quantidade de um mesmo produto. Prateleiras de álcool em gel estavam vazias, e supermercados passaram a limitar o número de unidades do produto que podem ser levadas.

O costureiro Juvenal Camacho disse que até passou em um supermercado, mas já não tinha mais algumas mercadorias e foi obrigado a comprar em outro. Segundo a aposentada Vera Braga, alguns produtos estavam até caindo dos carrinhos das pessoas na zona oeste.

A Abras (Associação Brasileira de Supermercados) diz que, no momento, não foi identificado nenhum problema de desabastecimento, mas de reposição, devido ao maior número de clientes em lojas no final de semana. A associação ressalta que não há risco de falta de alimentos e que o setor opera com normalidade. “Portanto, a população não precisa se preocupar, os supermercados estão preparados, inclusive, para aumentar o abastecimento, caso necessário”, diz a entidade. METRO

Loading...
Revisa el siguiente artículo