Pare de "pensar pobre": vai que eu morro amanhã!

Por lyafichmann

colunista  marcos-silvestreLa dolce vita! A vida da gente é uma ocorrência pitoresca: começa de sopetão, sem você pedir, dura um tanto, sem você saber ao certo quanto, e acaba de repente, sem que você queira. Curta, fugaz… a única certeza que a gente tem é que ela passará rápido. E deve ser bem aproveitada. “Carpe diem” em latim, recomendação igualmente impactante em português: “colha o dia”. Já que o dia de ontem se foi, e o de amanhã ainda não chegou, colha o dia de hoje! Viva intensamente o hoje, até porque, amanhã…

Carpido! Até aí, tudo certo, tudo lindo. Mas toda boa filosofia de vida, se levada ao extremo, pode produzir efeitos colaterais nocivos à própria vida. Assim, da ideia original de aproveitar a vida (e alguém dotado de um mínimo de sanidade mental preferiria jogá-la fora?) surgiu o mais puro hedonismo imediatista: só o que importa é ter o máximo de prazer, e tudo ainda hoje! Às favas com o legado do passado, dane-se a esperança no futuro: a vida é aqui e agora! E tem de ser prazerosa, senão não vale!

Vai que… Para reforçar esta proposta de vivência com foco quase exclusivo nas experiências de curtíssimo prazo, alguns argumentam: “Vai que eu morro amanhã!”. Pode ser, ninguém sabe. Mas, cá entre nós, é improvável, estatisticamente improvável. Você que agora lê o jornal: pela graça do bom Deus, você estará vivo amanhã. E não só você: o sujeito a sua esquerda, as duas moças à direita, aquela senhora logo atrás. (Quase) todos estarão vivos amanhã e… colherão os frutos do que plantaram hoje!

Hoje X amanhã. Na vida financeira é assim: se você gastar hoje tudo o que ganha hoje, seu amanhã ficará inevitavelmente comprometido. Mas por quê? Todos temos grandes sonhos de compra e consumo a realizar, além de eventuais emergências que podem requerer uma boa grana. Por hora, esqueça as grandes desgraças que pedem um bom dinheiro, vamos focar em juntar para poder realizar os sonhos!

Equilíbrio. Daquilo que você ganha, a maior parte (70%) pode gastar sem dó para bancar uma boa vida no presente. Outros 10% devem ser poupados e aplicados para a aposentadoria. Cerca de 5% para trocar de carro, 5% para grandes viagens, 5% para a faculdade dos filhos, e outros 5% para uma reserva de emergências. Assim, viva com qualidade de vida plena, de hoje até o final dos seus dias neste mundo!

Economista com MBA em Finanças (USP), orientador de famílias e educador em empresas, é colunista da BANDNEWS FM e fundador da SOBREDinheiro. Diretor do site www.oplanodavirada.com.br, da EKNOWMIX Consultores Integrados e da TECHIS SA.

Conteúdo Patrocinado
Loading...
Revisa el siguiente artículo