Pare de "pensar pobre": investir não compensa!

Por fabiosaraiva

marcos-silvestreDuas vidas, dois destinos. Hoje, mais um episódio da Série “Zé & Mané”. O Zé e o Mané são dois amigos que trabalham na mesma empresa, tem o mesmo cargo e ganham exatamente a mesma coisa. Teoricamente ambos têm igual poder de compra, já que têm o mesmo salário. Mas… poder de compra não depende só de quanto entra na conta bancária todos os meses, tem muito mais a ver com a forma como você despacha o dinheiro rumo a decisões de gastos e compras. O “segredo” está nas saídas!

 

Aplicar não compensa! Zé e Mané são jovens, gostam de artigos de tecnologia, de ponta. Nada de errado com isso, a gente trabalha e ganha dinheiro nesta vida que é para poder ter as coisas boas! Ambos estão pensando em comprar um smartphone. “Eu já fui ver, Zé. O modelo top que a gente quer está saindo por 10 parcelas sem juros de R$ 99,90! Vamos hoje lá comprar?”. Zé explica que antes precisa fazer umas contas, que está pensando em primeiro investir o dinheiro para depois comprar à vista. “Que é isso, Zé? A caderneta de poupança paga uma merreca! Aplicar assim não vale a pena, não!”

 

Pesquisa. Bem… Zé sabe que toda decisão de compra sábia envolve uma providência simples, porém importante: descobrir o verdadeiro preço do que se vai comprar, mesmo quando ainda não se tem a grana pronta para pagar à vista. Pesquisando em diferentes lojas, Zé descobre por R$ 800,00 para pagamento no ato aquele mesmo smartphone que o Mané havia encontrado por 10 X R$ 99,90 = R$ 999,00. O verdadeiro preço não é quase R$ 1 mil pedidos no “parcelamento sem juros”, mas R$ 200,00 a menos!

 

Precipitação X planejamento. Mané não resistiu e comprou o aparelho parcelado no impulso. Ficou feliz com a aquisição, nem tanto com o carnê de 10 folhinhas… Já o plano do Zé é aplicar R$ 100,00 por mês na poupança. Ele sabe que não ganhará muito de juros, cerca de R$ 30,00 ao final dos oito meses. Mas sua cabeça não está apenas neste pequeno ganho de juros, e sim na grande vantagem financeira do desconto para pagamento à vista. No total, ele planeja “ganhar” R$ 230,00 com esta esperta jogada.

 

Desfecho. Seis meses depois, Zé já tem R$ 620,00 aplicados. O Mané… bem… se encontra em “grande dificuldade financeira”. Para ajudá-lo, pediu ao Zé que compre seu celular (que está novíssimo) por R$ 500,00. Zé topa, e liga para a namorada: ainda tem R$ 120,00 livres para levá-la ao restaurante!

Economista com MBA em Finanças (USP), orientador de famílias e educador em empresas, é colunista da BANDNEWS FM e fundador da SOBREDinheiro. Diretor do site www.oplanodavirada.com.br, da EKNOWMIX Consultores Integrados e da TECHIS SA.

Conteúdo Patrocinado
Loading...
Revisa el siguiente artículo