Vergonha

Por lyafichmann

Um abraço! O Brasileiro deste ano está muito bom, os cariocas e os paulistas é que não gostam, mas eu aprovo. O Cruzeiro sobra e o Atlético se encontrou nos últimos jogos. Emocionante na briga do G4 e também na briga do Z4. Contudo, depois do Cruzeiro, tem outro time que vem fazendo muito barulho. Apesar dos problemas, é poderoso, nada o atinge e será dos times mais falados do Brasil. Tem cada jogador que dá medo. O grupo parece dividido, pois algumas decisões tomadas não são respaldadas pelos seus superiores. Acha que estou falando do Flu, do Fla ou do Corinthians?

Nenhum deles. Estou falando do time do STJD. Um grupo que quer interferir em tudo e, às vezes, de modo equivocado. Punem o Grêmio por atitudes racistas dos torcedores contra o goleiro Aranha, mas permitem que um jogador seu, na verdade um auditor, tenha condutas racistas nas redes sociais. Vocês se lembram de uma foto, do Capitão Nascimento estrangulando o R10, assim que ele saiu do Flamengo? Foi postada por um auditor do STJD, que julga casos relacionados ao nosso futebol. Pode isso Arnaldo? Claro que não! Infelizmente, nem sempre a regra da ética é clara.

Esse Tribunal devia lutar para as autoridades punirem os bandidos travestidos de torcedores, mas não querem! Poderiam cobrar a isenção da CBF e nunca compactuarem com aquele ditado: “dois pesos e duas medidas”. Por exemplo, o Botafogo recebeu um telefonema, informando que o jogador Jobson estava irregular e, por isso, o atleta não ficou nem no banco de reservas. Por que ninguém avisou ao América e nem à Portuguesa. Aos integrantes do STJD falta critério. Agora, podem punir de forma exagerada, o Atlético e o Cruzeiro pelas confusões ocorridas no clássico e, talvez, mudarem, o destino do Brasileirão. Sabe o que é pior? Punem e depois quando aparece um recurso, aliviam radicalmente a pena. Ou seja, dois Tribunais em um só, quando atuam apenas com o futebol. Coerência? Não é preciso, infelizmente. Nunca vi o STJD promover seminários, discussões e iniciativas para auxiliarem os clubes em determinadas situações e digo, até de forma preventiva. Preferem ser: “Os senhores do destino”. Até quando? Quanto à CBF, uma confusão! Em um dia solta um vídeo e altera uma orientação dada pela FIFA, sobre a bola na mão e a mão na bola. Depois, ao ser cobrada pela FIFA, explica que nunca fez isso. Quando é conveniente, o STJD se omite. Como disse o Emerson Sheik: VERGONHA! Enfim, consciência na hora de votar e bom voto!

Junior Brasil é comentarista esportivo da rádio Itatiaia e da TV Band Minas, professor universitário, mestre em administração e cobriu a Copa do Mundo da África

Conteúdo Patrocinado
Loading...
Revisa el siguiente artículo