Goleada do baixinho

Por fabiosaraiva

jose-carlos-araujo-colunista-garotinhoAcho graça quando ouço comentários a respeito do Romário, que não correspondem à verdade. Não foi só por ser uma personalidade que o Baixinho ultrapassou a marca dos 4 milhões e 600 mil votos. Foi, e muito, pelo trabalho que desenvolveu na Câmara dos Deputados, surpreendendo até os políticos veteranos, pela forma como trabalhou nestes 4 anos. Como poucos, soube usar as ferramentas das redes sociais, permitindo que o carioca participasse e opinasse a respeito dos projetos que eram apresentados e discutidos.

Acompanhei de perto quando o Romário procurou estudar Ciências Políticas. Por iniciativa própria, procurou o Professor Leonardo Petronilha, da Universidade Cândido Mendes, em Niterói, com quem teve aulas particulares durante um ano. E tudo na surdina, sem querer badalação. Sabe por quê? Queria chegar no parlamento sabendo como tudo funcionava. Então, foi um cara que se preparou para ser político. Agora, no Senado, garanto que não vai decepcionar aqueles que lhe deram a marca de o senador mais votado do Brasil.

 

Roberto Dinamite sofreu uma derrota na Alerj que já era esperada. Se as suas eleições anteriores foram muito mais pela paixão dos vascaínos, agora viu a reprovação da torcida. Foi assim, também, com a Patrícia Amorim, que perdeu a reeleição à Câmara dos Vereadores, e ainda perdeu no Flamengo para o Eduardo Bandeira de Mello.

 

Joel Santana pede para corrigir. Não é verdade que ele tenha saído de São Januário antes de o jogo terminar. Ele viu os dois gols, já nos acréscimos, mas desceu antes da torcida, a fim de se dirigir ao vestiário sem esbarrar na galera. Papai Joel ainda estava com os pontos da cirurgia.

 

Temo pelo rebaixamento do Botafogo. Não é só a crise financeira, mas o momento político que o clube vive. Ninguém se entende, não há faturamento e o Mancini só não saiu porque o presidente não aceitou a entrega do cargo. Vale lembrar que o mandato do Maurício Assumpção termina no final do Brasileiro. Como se salvar? Não sei.

 

Por que será que a venda de ingressos para a Arena da Barra é feita na maior tranquilidade? Foi assim na recente decisão do basquete, com a torcida do Flamengo atingindo a marca dos 16 mil torcedores. Já quando se fala em futebol, no Maraca, haja fila e haja sofrimento para a troca dos ingressos.

José Carlos Araújo escreve às quartas-feiras no Metro Jornal do Rio de Janeiro. É também comunicador das rádios Bradesco Esportes e Bandnews FM e apresentador do “ Donos da Bola”, na tela da Band.


Conteúdo Patrocinado
Loading...
Revisa el siguiente artículo