Outros tempos

Por Carolina Santos

jorge-nascimento colunistaAs coisas, como as pessoas, como a Natureza e o Universo, estão num processo de  mudança, mais violento ou gradual, visível ou microscópico. Mudança não quer dizer,  necessariamente, evolução. Percebemos, de forma mais clara, o quanto cresceu aquele sobrinho menino que não víamos há um ano. Passamos pela mesma árvore todos os dias e, num deles, percebemos que ela já chegou à altura do quarto andar daquele prédio, e pensamos: Como ela está grande (Claro que esse fato somente se dá para alguns que ainda se dão ao luxo de olhar árvores urbanas – Pura perda de tempo!). Lembro de um  filme chamado Paris-Texas, no qual o protagonista havia perdido a memória e há quatro anos não via seu filho que estava sob os cuidados de seu irmão e de sua cunhada, perguntou há quanto tempo estava “fora”, o irmão respondeu: há quatro anos. Ele não tinha referência do significado desse período de tempo, então perguntou a idade do menino. Oito anos. Concluiu: Estive fora pela metade da vida de um garoto. As temporalidades, no mundo de hoje, não são lineares, o tempo pode cambalear em ziguezague. O tempo de um pescador pantaneiro, com os ciclos das águas, marés, luas, dias e noites, não é o mesmo tempo de uma pessoa da cidade que exerce mil funções e vive no corre-corre de uma grande metrópole. Acho que estão ocorrendo mudanças rápidas na percepção de certos fatos e na maneira como a sociedade os encara e lida com eles. Para o bem e para o mal, as Tecnologias de Informação e Comunicação permitem que os fatos e factoides se espalhem com a mesma velocidade dos vírus biológicos. Faço essas considerações sobre a relatividade do tempo para pensar em dois fatos ocorridos ultimamente, um em nível nacional e outro no âmbito local. Primeiro, a repercussão das imagens da torcedora do Grêmio gritando e ofendendo o goleiro Aranha. E depois, um jovem integrante de um grupo de RAP que postou frases ofensivas contra mulheres feministas. E a reação nas redes digitais, as discussões que ambos os fatos repercutiram. A indignação de pessoas e grupos que se solidarizaram com aqueles que foram e são vítimas das ações demonstra que muitos setores da sociedade, que historicamente sofreram e sofrem abusos e preconceitos diversos, não querem mais penar calados e estão buscando formas de reação ou reparação, seja jurídica ou não. Sei lá, mas até parece que, finalmente no Brasil, estão chegando Outros Tempos.

Conteúdo Patrocinado
Loading...
Revisa el siguiente artículo