Mercado Publicitário 2014

Por fabiosaraiva
Montoya Martin Montoya

Se 2013 foi tão festejado pela indústria da comunicação, o cenário para 2014 é otimista. Mas é um ano atípico, com a Copa do , eleições, carnaval em março, salão do automóvel e muito mais. O que esperar do novo ano? Conheça a opinião de Martin Montoya, presidente da agência WMcCann.

 

Qual a sua expectativa para 2014?

Será um ano dinâmico, teremos eleições e Copa, que farão com que alguns clientes invistam normalmente, outros menos, porque não vão querer estar no ar em meio ao barulho da Copa. Além disso, devido aos diversos protestos sociais ocorridos, vemos algumas empresas preocupadas em ficar muito expostas nesse momento. Pela mistura de elementos citada acima, será difícil antecipar se o impacto será positivo ou neutro.

 

Quais os desafios das agências de publicidade?

Lidar com essa imprevisibilidade da junção de eventos e elementos que despertam sentimentos nacionalistas e patrióticos, somada a insatisfação social 2014 será um ano de emoções fortes. De maneira geral, em termos de atividade, o desafio dos publicitários é insistir em sermos mais unidos e leais, ao invés de permitir praticas que são nocivas e deletérias à profissão.

 

E para a WMcCann?

A perspectiva da agência é muito positiva, dado que estamos vindo de um crescente fortalecimento da nossa imagem através de várias conquistas de novas contas e construção de grandes cases. Um dos desafios é o de como crescer sendo uma agência do nosso tamanho, com tantos clientes em tantos segmentos, e como faremos para entrar nas poucas categorias de clientes ainda disponíveis. Um desafio comum ao mercado como um todo, e não apenas a nós, é a de modernizar a nossa cultura, acompanhar as mudanças de tecnologia e na mídia, e investir o necessário para acompanhar as necessidades dos clientes na oferta dos serviços necessários a eles. De maneira geral, o desafio é de tentar sempre fazer cada vez melhor.

 

Como fazer a diferença com o consumidor?

Temos que equilibrar o conhecimento das tecnologias e mídias com o profundo entendimento das bases da nossa profissão, pois o que faz a diferença para o consumidor é se conectar emocionalmente com ele, engajá-lo através de uma boa história. No entanto, num mundo multimídia no qual o consumidor está cada vez mais sujeito a distrações, temos que voltar às nossas bases e apostar nas grandes ideias.

João Faria é jornalista e sócio-diretor da Agência Cidadã. João Faria escreve no Metro São Paulo.

Conteúdo Patrocinado
Loading...
Revisa el siguiente artículo