Governo impedido de comprar passagens aéreas

Por Metro Jornal Brasília

Órgãos do governo federal estão impedidos desde o dia 1º de utilizar um esquema irregular de compra de passagens aéreas diretamente nas empresas de aviação, sem licitação, utilizando inclusive cartões corporativos. O esquema foi montado no governo Dilma, mas a medida provisória expirou no dia 31. O lobby das aéreas pressiona por nova MP mantendo seus privilégios, inclusive o de serem dispensadas da retenção na fonte de 7,05% de custo tributário da Receita Federal.

Pedalando de graça

Na vigência da MP, as empresas aéreas deixaram de reter na fonte R$ 40,8 milhões, pedalando com dinheiro público a custo zero.

Golpe nas agências

O objetivo era afastar as agências de viagem, contratadas por licitação (ao contrário das empresas áreas) e sem reduzir preços de passagens.

Combinando ‘licitação’

O esquema foi adotado após sucessivas reuniões a portas fechadas do Ministério do Planejamento com presidentes das companhias aéreas.

Combinar é crime

O Ministério do Planejamento combinou os termos da contratação com empresas a serem contratadas, proibido pela Lei das Licitações.

Projeto de Marun obriga Caixa a divulgar ganhadores

Projeto do atual ministro Carlos Marun (Secretaria de Governo), que torna obrigatória a divulgação dos ganhadores de loterias, está parado na Comissão de Finanças e Tributação da Câmara. Marun considerou “surpreendente” o número de prêmios acumulados nas loterias da Caixa e, pior, “sob véu do sigilo”, o que teria feito aumentar as suspeitas dos brasileiros sobre a lisura de loterias populares, como a Mega Sena.

Publicidade total

A proposta obriga a publicação na imprensa oficial dos ganhadores de prêmios acima de dois mil salários mínimos, atualmente R$ 1,95 milhão.

Transparência

Na justificativa, Marun defende que todo apostador, “automaticamente”, deve abrir mão do direito ao sigilo, ao adquirir o bilhete nas lotéricas.

Distinto relator

Esse projeto e todos os outros envolvendo loterias federais tramitam em conjunto, sob a relatoria do deputado Andrés Sanchez (PT-SP).

Matando os velhos

Aposentados do Senado têm sofrido muito. Para um deles, infartado, o plano de saúde “CEF” não autorizou um exame de ressonância do cérebro. Dependentes de senadores não enfrentam o mesmo martírio.

Para eles, o céu

Senador e dependentes mudam os dentes, implantam cabelos (até usando jato da FAB, como no caso de Renan Calheiros), desencrava unha, com despesas ressarcidas rapidamente. Já os servidores…

Interventor assumiu

Para evitar um colapso no Sesc e no Senac Rio, o interventor Luiz Gastão entrou nesta quinta (4) na sede das entidades no Flamengo, no Rio. Tinha ordem judicial até para usar força policial, “se necessário”.

Na delação não está

O ex-diretor do Detran-MT Carlos Santana, sócio da Tecnobank, empresa ligada à B3/Cetip no negócio de registro obrigatório de contratos de financiamento de veículos, não é citado na delação do ex-governador Silval Barbosa, como informou a imprensa local.

O terror dos ‘vadios’

O americano Donald Trump e Kim Jong-un, ditador e lixo atômico da Coréia do Norte, devem ter se descabelado, ontem, com as críticas da ex-senadora Heloisa Helena, que os chamou de “vadios”.

Caiu por terra

O aumento de 95% nos investimentos em saúde calou os parlamentares contrários ao teto de gastos. A principal lorota quando se discutia controle dos gastos era “menos dinheiro para Saúde”.

Desemprego digital

Aplicativo da Carteira de Trabalho (CTPS) foi baixado 110 mil vezes em pouco mais de um mês. O problema é que, além de não substituir o documento físico, o app pouco importa para quem está desempregado.

Impacto da desonestidade

O R$ 1,3 bilhão embolsado por 340 mil cadastros com fortes indícios de fraude do Bolsa Família bastariam para contratar 102.669 pessoas e pagar salário mínimo durante todo o ano de 2018, incluindo o 13º.

Pensando bem…

…entre demissões e saídas voluntárias, a reforma ministerial já começou e ninguém percebeu.

Conteúdo Patrocinado
Loading...
Revisa el siguiente artículo