Desfeita de Lula pode provocar saída de ministro

Por Carolina Santos

claudio-humberto colunistaumbertoPrimo do candidato ao governo Henrique Alves (PMDB-RN), o ministro Garibaldi Alves (Previdência) avalia abandonar o cargo após notícia de que ex-presidente Lula irá ao Estado para pedir votos ao adversário Robinson Faria (PSD). Garibaldi confirma ter conversado com Henrique sobre a possibilidade de deixar o ministério, mas nada foi decidido. “Não pretendo tomar nenhuma decisão isolada ou precipitada”, afirmou.

Mais um

A oposição aguarda o desfecho do caso para tentar fazer Garibaldi Alves “correr para o abraço” com Aécio Neves para presidente.

Calma nessa hora

O problema com Lula será tratado inicialmente pelo vice Michel Temer num “contexto nacional”, diz Garibaldi: “Não queremos dissidência”.

Sob pressão

Henrique Alves tem sido pressionado a romper com o governo Dilma desde que Lula gravou vídeo pedindo voto para Robinson, no 1º turno.

Bem feito 

Lula apoia Robinson sob pressão do PT-RN, que acusa Henrique de prejudicar Fátima Bezerra para se aliar ao DEM, PSDB e PSB.

Delação atinge quem já não pode se defender

Procuradores da República discutem o tratamento a ser conferido às denúncias do ex-diretor de Abastecimento da Petrobras Paulo Roberto Costa, em depoimentos na delação premiada, contra personalidades já falecidas, como o ex-presidente do PSDB, Sergio Guerra, e o ex-governador Eduardo Campos. Eles já não podem se defender, nem tampouco contestar os indícios que foram apresentados pelo delator.

Vivaldinos

Mais importantes que acusações a políticos falecidos são denúncias, com provas, do ex-diretor contra autoridades vivas, muito vivas.

Bancada majoritária

Segundo o que vazou dos depoimentos até agora, a maior parte do rateio de dinheiro roubado da Petrobras foi com partidos governistas.

Rateio do roubo

Políticos do PMDB e do PP recebiam o equivalente a 1%, cada, de contratos bilionários da Petrobras. Políticos do PT recebiam até 3%.

Previsão otimista

Vice-governador eleito de São Paulo, Márcio França (PSB) acredita que o tucano Aécio Neves (PSDB) terá 60% dos votos, contra 30% de Dilma (PT), no segundo turno das eleições.

Dose tripla

A petista Dilma manterá estratégia do 1º turno de fazer atos eleitorais paralelos ao antecessor Lula e ao vice Michel Temer. A ideia é multiplicar por três a presença do governo nos Estados.

Barbas de molho no TCU

Colegas do ministro Aroldo Cedraz estão preocupados com a atuação ostensiva do filho, Tiago Cedraz, nos últimos meses do ano, antes de o pai assumir a presidência do Tribunal de Contas da União, em 2015.

Acesso negado

Em diversos ministérios, como do Meio Ambiente, o acesso ao site Dilma 13 é feito sem a menor dificuldade, mas sempre que se tenta visitar o site Aécio 45, nem vale a pena insistir: o bloqueio é total.

Conta outra

Em busca de votos, com a economia abaixo de zero, Dilma prometeu “estudar” o reajuste dos servidores do Judiciário, que ameaçam greve após auxílio-moradia dos juízes, que provocou protestos.

Quem manda é prefeito

Ao encontrar Eliomar Nogueira, prefeito de Fortaleza dos Nogueiras (MA), em Brasília, o ministro Moreira Franco (Aviação Civil), que já ocupou o cargo, observou com humor que prefeito é quem tem poder: “Quem mais pode instalar parada de ônibus na porta do adversário?”

Campanha intensa

O PSDB espera reunir nesta quarta (15) mais de 500 prefeitos, além da bancada paulista de deputados federais, em ato de apoio à candidatura do tucano Aécio Neves, em São Paulo.

Portas abertas

Apesar de haver abandonado a campanha após a morte de Eduardo Campos, o novo presidente nacional do PSB, Carlos Siqueira, garante que Marina Silva “só não permanece no partido se não quiser”.

Pensando bem…

… se for instalado um “mentirômetro” em Brasília, como sugeriu Aécio Neves, logo os bilhões do impostômetro seriam superados.

Conteúdo Patrocinado
Loading...
Revisa el siguiente artículo