PT usa Caixa e Serpro na campanha eleitoral

Por fabiosaraiva

claudio-humberto colunistaApós o uso dos Correios na campanha eleitoral do PT, Caixa e Serpro são alvo de acusação idêntica de funcionários. O Caixa-Mail, sistema interno de comunicação do banco, foi usado para espalhar acusações contra o candidato do PSDB. No Serpro, funcionária ligada ao PT, Ana Maria Amorim, mulher do ministro Celso Amorim (Defesa), disparou e-mail de teor eleitoral pró-PT na rede interna da repartição pública.

Conteúdo

O e-mail eleitoral na Caixa, de posse desta coluna, repete a velha mentira de que o banco será “privatizado”, no caso de vitória tucana.

Tudo nosso

Ocupando boquinha no Serpro desde 2007, em seu
e-mail Ana Amorim compara os governos do PSDB e PT, usando dados não confirmados.

Privacidade

O Serpro desconversa, dizendo que “não pode monitorar e-mails internos”, mas não se fala em punição pelo uso eleitoral da rede.

Aparelhamento

O deputado federal tucano William Dib (SP) também foi procurado por funcionários da Caixa que denunciaram o uso eleitoral do Caixa-Mail.

PSB dá como certa a desfiliação de Marina Silva

Com a eleição de Carlos Siqueira à presidência do PSB, a cúpula do partido dá como certo que Marina Silva deixará o partido para retomar a Rede Sustentabilidade. Siqueira telefonou-lhe para tentar desfazer arestas e mágoas, mas ela não esquece: ao deixar a campanha após a morte de Eduardo Campos, Siqueira disse que a ex-senadora era “hospedeira” do PSB. Quis dizer “hóspede”, e ela entendeu a desfeita.

Estranha no ninho  

Marina se filiou ao PSB após a Rede ser barrada na Justiça, mas sempre deixou claro que se sentia apenas uma hóspede do partido.

Mal estar

Membros do PSB duvidam que o presidente interino “lulista” Roberto Amaral permaneça no PSB após ter apoiado a reeleição de Dilma.

Ganhou força

Após liquidar o PT nas eleições, o PSB pernambucano faturou um terço dos cargos na Executiva, além da vice-presidência e da 1ª secretaria.

Definição de papéis

Marina Silva deverá se reunir ainda esta semana com o candidato tucano Aécio Neves, a quem declarou apoio, para discutir seu papel na campanha no segundo turno.

Lorota desfeita

A bancada do PMDB na Câmara se reúne quarta (15) para mostrar que não é assim tão “ampla”, como Dilma afirma na propaganda, o tamanho de sua base de apoio. O PT briga forte com o PMDB em dez Estados.

Azul tucano

Por recomendação do marqueteiro e modista João Santana, Dilma substituiu o vermelho pelo azul, tentando transmitir a candura de Alice no País das Maravilhas. Faz sentido. Mas ficou parecendo tucana.

De volta à PF

Derrotado na reeleição, o deputado Protógenes Queiroz (PCdoB-SP) vai retomar o cargo de delegado na Polícia Federal. Ele chefiou em 2008 a operação Satiagraha, que prendeu o banqueiro Daniel Dantas.

Inconstante 

Além de não eleger mais da metade dos atuais parlamentares, Pros e Solidariedade só contarão com 15 deputados federais cada. Três federais não conseguiram nem sequer se eleger deputados estaduais.

Golpe midiático

A manobra deu certo, e a farsa do ebola ocupou as manchetes, em lugar da roubalheira da Petrobras detalhada pelos delatores. O africano adorou viajar e comer de graça. O que ele tinha era desnutrição aguda.

Imprevisível

Com a derrota do PSDB em Minas no 1º turno, José Serra e Alckmin já não acham que Aécio Neves tenha feito “corpo mole” em campanhas anteriores. Concluíram que o eleitor mineiro é imprevisível mesmo.

 Fundação 

Derrotado na disputa pela reeleição, o governador Renato Casagrande (ES) deverá assumir esta semana a Fundação João Mangabeira. O PSB chegou a cogitar entregar o cargo a Roberto Amaral, mas desistiu.

Pensando bem…

…ao tornar públicas as revelações dos delatores do Petrolão, o juiz Sergio Moro fez apenas o que Dilma, Petrobras e CPI viviam pedindo.

 

 

Com Ana Paula Leitão e Teresa Barros 

www.claudiohumberto.com.br

 

Captura de Tela 2014-10-13 às 21.46.19 Captura de Tela 2014-10-13 às 21.46.29

 

Conteúdo Patrocinado
Loading...
Revisa el siguiente artículo