Deviam pedir perdão

Por José Luiz Datena

Nunca vi tanta gente na rua. O pior: no auge de casos do Brasil na era do novo coronavírus. Mas onde foi parar a ciência do #fiqueemcasa. “Foi para as cucuia”, diria o caipira como eu.

Conseguiram errar na ciência, batemos o recorde de casos no mundo em um só dia e quebramos a economia, com milhões de desempregados andando de cabeça baixa ou olhar perdido de um corpo vazio de esperança, tanto quanto o bolso sem nenhum centavo para comprar o sustento da família.

O Brasil quebrou, e junto quebrou o espírito do incansável povo brasileiro. Aqui em São Paulo parecíamos estar no primeiro mundo da ciência de “Jornada nas Estrelas”. Quarentena, hospital de campanha, ameaça de multa e até prisão, isolamento na marra. Enquanto isso, transporte coletivo lotado, Cracolândia aglomerada e periferia aberta para não morrer de inanição. Ainda dizem que achatamos a curva.

Como? Se já somos o segundo país do mundo em número de mortos e estamos no abismo financeiro? Mas, enfim, não acertamos em quase nada. Como sempre, o povo é quem paga. O Brasil é uma grande periferia. Só mostramos nossa cara, como diria o Cazuza. Há quanto tempo morre gente nos nossos hospitais? No corredor em macas, nas filas do SUS. Sofrido povo brasileiro.

Queria passar uma mensagem feliz. Mas, como vocês, também não estou vendo uma luz no fim do túnel, nem das urnas. Nossos líderes se perderam e nos fizeram perder o rumo, o que é pior. Mas nosso lema foi sempre sofrer e acreditar. Que DEUS nos proteja.


Acompanhe José Luiz Datena nas redes sociais:
Facebook  |  Twitter  |  Instagram

Colunas anteriores:
Deus nos ajude
Serão julgados pela história

Loading...
Revisa el siguiente artículo