Nos caminhos da bailarina

Por Pro Coletivo

Ana Carolina Gouveia, de 23 anos, é bailarina, pianista e dona de uma escola de artes em São Paulo chamada Oficina Musical. Paulistana usuária do transporte coletivo e amante das caminhadas, ela fez um ensaio no metrô e na avenida Paulista com os fotógrafos do Be M4gic – antes de eclodir a covid-19. Agora em quarentena, Ana conversa com o Pro Coletivo sobre a cidade, a mobilidade e o que pretende fazer quando o vírus estiver sob controle. A seguir, os principais trechos do bate-papo:

Corpo em movimento

“Como sou bailarina desde criança, tenho uma relação com o movimento muito intrínseca na minha vida. Então, procuro caminhar o máximo que posso. Por exemplo, se tenho opção, no metrô, de subir a escada normal ou usar a rolante, eu opto pela escada mesmo; se posso descer do ônibus um ponto antes da minha casa, eu escolho isso. O nosso corpo foi feito para estar em movimento. No dia a dia, a gente às vezes fica muito sentada, então é importante aproveitar as situações para se mexer. O sedentarismo não é bom para ninguém, principalmente por causar dores no corpo e até questões de saúde mental.”

Poder de mudança

“Tudo o que posso fazer a pé eu faço a pé. Uso muito o transporte público porque não curto muito a ideia do carro em São Paulo: a gente já tem um trânsito gigantesco. Fico um pouco triste pelo transporte ser ruim em muitos momentos, mas ainda assim é uma opção coletiva e cabe a nós, usuários e cidadãos, cobrar para que as coisas melhorem. Acredito nesse poder de mudança, mesmo que paulatinamente.”

Experimento social

“Eu quis fazer esse ensaio de fotos na rua para testar a reação das pessoas ao ver algo que não está no seu cotidiano. Eu sinto que em São Paulo, mais que em outras cidades, o pessoal não se importa se uma pessoa morrer do seu lado. Já vi gente passar mal em trem e as pessoas não se importarem. Na avenida Paulista, ao ar livre, senti mais indiferença, até porque eles estão acostumados com os eventos e coisas atípicas, mas no metrô eu senti uma curiosidade um pouco maior. E no parque Trianon e no Masp as pessoas paravam para falar comigo. Além de ensaio fotográfico, foi um experimento social.”

Café com as tias

“Quando a quarentena acabar, a primeira coisa que quero fazer é tomar café da manhã com as minhas tias, que ajudaram a me criar, e são já senhoras. Todos os domingos eu tomava café com elas e estou sentindo muito falta… Depois também quero ver meus amigos e os meus alunos. Valorizar esses momentos é sempre importante.”

Contenido Patrocinado
Loading...
Revisa el siguiente artículo