Educação pública privada

Por andremachado

As crianças que estudam na educação infantil na Aldeia da Fraternidade, na Tristeza, não precisarão mais deixar o local na hora de iniciar o fundamental. E a estreia será em alto estilo. As crianças atendidas no local passarão a contar em 2019 com a metodologia de ensino da Lumiar, do empresário Ricardo Semler. A parceria envolve a Secretaria Municipal da Educação, que já aposta na educação comunitária no ensino de zero a cinco anos e 11 meses. Os bons resultados embalam os novos projetos da Smed.

Igualdade. Um ponto a ser saudado é que estudantes de baixa renda passarão a contar com a mesma qualidade de ensino à disposição de crianças da unidade privada da Lumiar, no bairro Mont’Serrat. Lá a mensalidade é de R$ 1.800. Na unidade da Aldeia, o município vai investir R$ 970 ao mês para a educação integral. Para as famílias dos estudantes, o custo é zero.

Passo a passo. Em 2019, 73 crianças devem ser atendidas no ensino fundamental. A previsão é que em 2022 o número chegue a 220.

Nosso século. Um dos pilares do método da Lumiar é deixar para trás o ensino do século 20. As questões curriculares são trabalhadas de forma secundária e a preocupação é a formação do cidadão para vencer os desafios do século 21.

Comunitárias. O modelo de parceria com a Lumiar é novidade no fundamental, mas uma realidade na educação infantil. A Smed calcula em R$ 11.882 o custo de uma criança nesta fase na rede estatal. Nas comunitárias, o custo previsto para 2019 é de R$ 6.300.

Ciclovias. O Metro mostrou problemas na ciclovia da Ipiranga. Há outro problema sério. A ciclovia não é pista de corrida, não é lugar para carrinhos de bebê ou para caminhadas. É espaço para um modal de transporte: a bicicleta.

Até 2019. Em razão dos feriados das duas próximas semanas, a POA+RS se despede hoje de 2018. Voltaremos no dia 8 de janeiro. Boas Festas.

Contenido Patrocinado
Loading...
Revisa el siguiente artículo