Prédio da Petrobrás em Vitória é outro escândalo

Por Cláudio Humberto

Outro edifício-sede da Petrobras vai gerar a qualquer momento mais um escândalo de gatunagem no governo do PT. Há dias, o edifício de R$ 680 milhões da estatal em Salvador resultou na operação Sem Fundos, da Polícia Federal. Mas há outro construído em Vitória (ES), cujo custo inicial era de R$ 90 milhões, na licitação subiu para R$ 436,6 milhões, no contrato foi a R$ 486,1 milhões e, após aditivos, totalizou mais de meio bilhão de reais, ou sejam, R$ 567,4 milhões. Os valores foram aferidos em investigação do Tribunal de Contas da União (TCU).

Lava Jato de olho

O TCU começou a investigar em setembro de 2015 a treta no edifício da Petrobras em Vitória. O caso é investigado também na Lava Jato.

Treta anunciada

Não tinha perigo de dar certo: duas das três empresas do consórcio contratado estão envolvidas na Lava Jato até o pescoço.

Terceirização ampla

O consórcio vencedor contratado (Odebrecht, Camargo Corrêa e Hochtief) realizou apenas 16,5% da obra e terceirizou todo o restante.

Meteram a mão

Em relatório, o TCU identificou “indícios robustos de sobrepreço” e acusou “falta transparência e confiabilidade nas cotações”.

Lobby de Lula foi decisivo para contrato na África

A participação de Lula no esquema que garantiu contrato na Guiné Equatorial à empresa mineira ARG foi a “cartada final” usada pela empreiteira para conquistar o negócio. Segundo o Ministério Público Federal (MPF), o lobby rendeu propina de R$ 1 milhão para o ex-presidente, disfarçada de “doação ao Instituto Lula”. A informação é de alto funcionário do governo que acompanhou as negociações.

O Estado sou eu

Na Guiné Equatorial não há órgãos de controle, tampouco leis sobre licitações: é o presidente quem decide a empreiteira a ser contratada.

Hiperfaturamento

“Obras não são superfaturadas na Guiné; são hiperfaturadas, isso sim”, ironiza o experiente funcionário brasileiro que atuou no país.

Estranha coincidência

O pai dos três irmãos donos do grupo ARG morreu em acidente aéreo ontem, mesmo dia em que foram denunciados com Lula à Justiça.

Batom na cueca

Ao denunciar Lula por outro crime, agora de tráfico internacional de influência na Guiné Equatorial, o MPF incluiu entre as provas uma carta tipo batom na cueca do atual presidiário ao ditador Teodoro Obiang.

Lorota esfarrapada

Desistir do indecoroso auxílio-moradia, que custa R$ 1 bilhão por ano a um país quebrado, não compensa os R$ 6 bilhões do aumento da casta de servidores federais cujo teto agora ultrapassa os R$ 39 mil.

Pegando no susto

Após a promessa do presidente eleito Jair Bolsonaro de acabar com sigilo das operações, a direção do BNDES ficou subitamente humilde e acertou com o Tribunal de Contas da União “ações de transparência”.

Comício em sala de aula

Relator do projeto Escola Sem Partido, o deputado Flavinho (PSC-SP) tem enfrentado a oposição estridente de colegas esquerdistas, que não querem perder a sala de aula como espaço de doutrinação política.

Medo que faz bem

Tem político em Brasília sem dormir com os planos do futuro ministro Sergio Moro (Justiça) de criar a Secretaria Nacional de Combate à Corrupção. Via Twitter, dizem “ver com preocupação” a ideia. Pudera.

Seria querer demais

Os pagadores de impostos esperavam da Justiça a atitude digna de revogar a vinculação dos vencimentos do Supremo Tribunal Federal (STF) a inúmeras outras castas do serviço público federal. Em vão.

Faltou assunto

Contando os dias para o recesso e a troca de governo, a Câmara inventou debate sobre o “legado” dos Jogos Olímpicos. A resposta todo mundo sabe: corrupção e dívidas, um ou outro ginásio fechado.

Ricas viagens

O governo federal gastou R$ 875 milhões em viagens “a serviço”, este ano. No total o pagador de impostos bancou 710.940 viagens. Foram R$ 140,3 milhões gastos somente em deslocamentos internacionais.

Pensando bem…

…aumento de 16,3% em inflação de 3% que é como os ministros do STF gritarem lá do Olimpo para o brasileiro obrigado a se esfolar para pagar essa conta: “Te vira, malandro”.

poder sem pudor Reprodução
Contenido Patrocinado
Loading...
Revisa el siguiente artículo