PT trama alegar até ‘insanidade’ para soltar Lula

Por Cláudio Humberto

Políticos do PT têm procurado jornalistas para “plantar” a informação de que andam preocupados com a saúde mental do presidiário, citando alterações de humor, abatimento e até supostas “falhas de memória”. O objetivo, que mal disfarçam, seria criar um ambiente para arrancar dos tribunais a decisão “humanitária” de transferir para o regime de prisão domiciliar o petista condenado por corrupção e lavagem de dinheiro.

Vem mais por aí
O temor dos apoiadores do reeducando é que os processos pendentes de julgamento, cinco no total, possam resultar em novas condenações.

Hardt é mais dura
Lula e seus apoiadores já acham que Sérgio Moro pode não ter sido seu juiz mais rígido. A substituta Gabriela Hardt é ainda mais dura.

Estratégia suicida
Fiel à estratégia de hostilizar quem investiga e julga, a defesa de Lula questiona a competência da juíza Gabriela Hardt para julgar o detento.

Coitadismo de resultados
A armação começou com plantações em publicações amigas sobre o “coitado” do presidiário, “tão velho e abatido” e até “meio esquecido”.

 Mais Médicos: drible no Congresso foi de Patriota
As negociações da embaixada do Brasil em Havana com o governo de Cuba para o programa “Mais Médicos” foram instruídas pelo ex-ministro das Relações Exteriores Antônio Patriota. Inclui as tratativas para driblar a exigência constitucional de aprovação do Congresso brasileiro, criando uma operação triangular com a Organização Pan-Americana de Saúde (Opas), que se prestou ao papel vexatório de repassar à ditadura o dinheiro confiscado dos médicos cubanos.

Debaixo da cama
Hoje embaixador de modesto desempenho em Roma, Patriota não se mexeu em defesa do então embaixador em Cuba José Eduardo Felício.

Tirania oportunista
A iniciativa foi de Cuba, para obter dinheiro fácil, confiscando dos próprios médicos 70% dos salários. Faturou, no total, R$ 7,1 bilhões.

Mentira
O governo Dilma inventou a inexistência de médicos para justificar a chegada dos cubanos. Hoje são 8 mil. No Brasil, há 450 mil médicos.

Artistas são uns artistas
A Lei Rouanet faz o governo não cobrar o imposto devido cujo valor seja aplicado em cultura por patrocinadores. Mas os nossos artistas são uns artistas: nem sequer retribuem a gentileza reduzindo o preço do ingresso para a população pobre, onde o imposto seria aplicado.

Estertores
O Ministério do Trabalho mostrou ontem uma das últimas atribuições: divulgar os “números do Caged”, de emprego e desemprego. Quase nada para uma repartição que custa quase R$ 10 bilhões por ano.

Superautoridade
A comissão que analisa 230 projetos que mudam a Lei de Licitações adiou de novo a votação do relatório, que cria a poderosa figura do “agente de licitação”, para cuidar do edital à execução das licitações.

Orgulho na escola
Alunos e professores do Colégio Militar de Brasília estão orgulhosos porque um ex-aluno ilustre, ministro Wagner Rosário (Transparência e CGU), foi convidado por Bolsonaro a permanecer no cargo.

Mistério continua
A notícia divulgada pelo Estadão sobre a escolha de Carlos Bolsonaro, o “Zero Dois”, para chefiar a Secretaria de Comunicação foi desmentida pelo próprio imediatamente: “Nada disso será tratado comigo”.

O Novo cresce
O Partido Novo já comemora 30 mil filiados. Foram 22,7 milhões de votos conquistados nas eleições de 2018 e vinte parlamentares eleitos. Além da vitória sensacional do governador de Minas, Romeu Zema.

Pena do bolso
Projeto do senador Reguffe (DF) deve tirar do bolso de quem depreda patrimônio público o dinheiro para reparar os danos causados e multa. “Não adianta apenas prender e punir, é preciso reparar o dano”, disse.

Fazendo o social
Na ânsia de saber com quem vai contracenar na Câmara, o deputado eleito Alexandre Frota (PSL-RJ) chegou uma hora mais cedo ao jantar na residência do presidente da Câmara. E se enturmou rapidinho.

Pensando bem…
… é bom o presidente continuar gerando empregos: a partir de 1º de janeiro, o cidadão Michel Temer vai perder o dele.

poder sem pudor Arte / Metro Jornal
Contenido Patrocinado
Loading...
Revisa el siguiente artículo