Quem cuida do tesouro da gente?

Quem cuida do tesouro da gente?

Como escolher uma pessoa para cuidar do seu filho no seu lugar? Esta é uma dúvida que angustia muitos pais que precisam deixar os bebês aos cuidados de uma babá. Autor do livro “A Criança Terceirizada – Os descaminhos das relações familiares no mundo contemporâneo” , o pediatra José Martins Filho diz que uma contratação equivocada pode colocar em risco a segurança e o bom desenvolvimento da criança.

“O ideal é que, na primeira semana, os pais fiquem em casa para acompanhar e observar a cuidadora”, afirma ele. “Jamais devem deixar a criança sozinha com a babá durante o período de experiência.” Embora alerte para os riscos de uma contratação mal feita, o médico garante que uma babá bem selecionada pode ser uma opção melhor que escolas ou creches, sobretudo para pequenos com até 2 anos.

Presidente do Comitê de Primeira Infância da Sociedade Mineira de Pediatria, Laís Valadares destaca outro ponto fundamental na hora de contratar uma babá: que a escolha seja a mais definitiva possível.  O rodízio de cuidadores pode causar danos emocionais. “As crianças precisam de referência”, diz a médica. “Se for para trocar constantemente, é melhor optar pelo berçário ou pela creche.”

Para fazer uma boa escolha

Cofundadora do aplicativo Click Babá, Luciana de Abreu Pereira, e a diretora da agência Alô Babá, Renata Simonetti, dão cinco dicas para os pais fazerem uma contratação correta.

  • Faça entrevista, verifique o período de experiência e peça referência dos trabalhos anteriores. Estabeleça um contrato de trabalho justo para as duas partes, em termos de carga horária, salário e responsabilidades da função.
  • Defina a rotina da criança em conjunto com a babá. Seja flexível e reconheça o que ela pode oferecer de bacana, a partir da experiência dela.
  • Dê preferência para profissionais que se qualificaram, fizeram cursos e apresentam certificações.
  • Se não estiver confortável com a babá, substitua. Você tem de estar segura e tranquila ao sair de casa e deixar seus filhos.
  • Ela é profissional e merece respeito, cordialidade, carinho. Mas não é membro da família e um dia vai embora. O tempo médio de permanência de uma babá é de 2 anos.