'Se houver cada vez mais adaptações de HQs quem ganha é o cinema', diz Heitor Dhalia

Por Omelete

Hollywood encontrou nos quadrinhos histórias boas e já testadas, e passou a adaptá-las para as telonas. Agora, o Brasil começa a descobrir sua indústria de quadrinhos e nos próximos meses teremos três adaptações: “Doutrinador” (setembro), “Turma da Mônica – Laços” (2019) e “Tungstênio”, longa de Heitor Dhalia baseado na obra de Marcelo Quintanilha, que está em cartaz.

“O mérito é todo dos quadrinhos. Quintanilha é um dos maiores quadrinistas brasileiros da atualidade, premiado na Europa, e outros artistas também estão criando um trabalho nacional fantástico. Uma das cenas mais importantes do Brasil hoje talvez seja o quadrinho. Se houver cada vez mais adaptações, isso é um benefício para o cinema por méritos dos quadrinhos e não o contrário”, afirmou Dalia em entrevista exclusiva ao Omelete.

Há alguns anos cineastas tentam adaptar o trabalho de Quintanilha, porém nenhum deles agradava o quadrinista. Isso até conhecer Dhalia, conhecido por filmes como Serra Pelada e O Cheiro do Ralo. “Me senti muito à vontade com a maneira como começamos a conversar. Foi muito rápido e ágil”, explicou o quadrinista, que elogiou a preocupação do diretor em adaptar sua história da melhor maneira possível.

Assim como a HQ, o filme apresenta quatro personagens. Cada um deles passa por dilemas pessoais, que vão dificultar os caminhos que parecem os mais corretos.

Coluna Omelete 27 de junho de 2018
Contenido Patrocinado
Loading...
Revisa el siguiente artículo