Todos contra a gripe

O próximo sábado, dia 12 de maio, será o “Dia D” de mobilização na Campanha Nacional de Vacinação Contra a Gripe. Crianças de 6 meses a menores de 5 anos, gestantes e puérperas (mulheres com até 45 dias pós-parto) são público estratégico na ação do Ministério da Saúde.

A influenza, comumente conhecida como gripe, figura entre as viroses mais frequentes no mundo. Segundo a estimativa da OMS (Organização Mundial da Saúde), cerca de 10% da população é infectada anualmente por algum tipo de vírus influenza e 1,2 bilhão de pessoas apresentam risco elevado para complicações relacionadas à doença – dessas, 140 milhões são crianças.

Muitas pessoas, porém, ainda têm dúvidas sobre a vacina contra a gripe, seus benefícios e eventuais riscos. Por isso, preparamos uma seleção de respostas para as perguntas mais frequentes sobre a vacina com as informações são da Sociedade Brasileira de Imunizações. Confira.

As vacinas contra influenza podem ser utilizadas na gestação?

Sim, gestantes constituem grupo prioritário para a vacinação, pelo maior risco de desenvolverem complicações e pela transferência de anticorpos ao bebê, protegendo contra a doença nos primeiros meses de vida.

Pacientes alérgicos ao ovo de galinha podem receber a vacina?

Sim, esses pacientes podem receber a vacina influenza. Alergias a ovo, mesmo graves como a anafilaxia, não são mais contraindicação nem precaução.

Quais as reações adversas esperadas após a aplicação?

Os eventos adversos mais frequentes ocorrem no local da aplicação: dor, vermelhidão e endurecimento em 15% a 20% dos vacinados. Essas reações costumam ser leves e desaparecem em até 48 horas. Manifestações sistêmicas são mais raras, benignas e breves. Febre, mal-estar e dor muscular acometem 1% a 2% dos vacinados de 6 a 12 horas após a vacinação e persistem por um a dois dias, sendo mais comuns na primeira vez em que tomam a vacina. Reações anafiláticas são extremamente raras.

Crianças que receberam duas doses da vacina em anos anteriores deverão receber duas doses da quadrivalente este ano?

Não é necessário. A regra geral, tanto para as vacinas quadrivalentes quanto para as trivalentes, é que crianças que receberam duas doses na primeira vacinação recebam, nos anos seguintes, somente uma dose.

As vacinas influenza podem ser aplicadas simultaneamente com outras vacinas?

As vacinas trivalente e quadrivalente contra a influenza podem ser aplicadas simultaneamente com as demais vacinas do calendário da criança, do adolescente, do adulto ou do idoso.