Ex-executivos agora temem calote da Odebrecht

Ex-executivos da Odebrecht que concordaram em fechar acordos de delação com a Lava Jato afirmam receber sinais de que a empresa poderá não honrar o compromisso de devolver-lhes tudo o que perdessem, após suas confissões. A estimativa é de que os 70 executivos podem ter perdido um mínimo de R$ 10 milhões cada um deles, e a conta da devolução das perdas atingiria R$ 1,4 bilhão.

Dificuldade de caixa

Os executivos conhecem as entranhas da Odebrecht e preveem dificuldade de promover o ressarcimento como o prometido.

Delações necessárias

Também por conhecerem o grupo na intimidade, os executivos foram úteis no mapeamento do incrível esquema de corrupção da era PT.

Os homens da mala

As delações dos executivos permitiram à Lava Jato confirmar a lista de políticos financiados pelo departamento de propinas da Odebrecht.

Tempo ao tempo

Fontes ligadas à empreiteira afirmam que as supostas perdas dos ex-executivos serão avaliadas, e que isso necessariamente leva tempo.

Após 80 dias, burocracia impede obra de viaduto

Oitenta dias após o desabamento do viaduto da Galeria dos Estados, em Brasília, até agora o governo não conseguiu nem mesmo que os órgãos oficiais aprovem o projeto a ser licitado. O Iphan, onde o governador Rodrigo Rollemberg não é um campeão de popularidade, promete decidir até a próxima semana. Em Fukuoka, no Japão, obra maior e mais complexa foi realizada em 48 horas após desabar.

Governo ‘amarelou’

Em 6 de fevereiro, dia do desabamento, o governo garantiu recursos e anunciou obra em caráter emergencial, sem licitação. Depois amarelou.

Colunas retrô

O Iphan nunca implicou com as colunas do viaduto encobertas pelas lojas da Galeria, mas agora exige respeito ao tombamento.

Sem alterações

Para o Iphan, o projeto de recuperação do viaduto não pode promover alterações urbanísticas, arquitetônicas e paisagísticas desnecessárias.

Começou na Andrade

O ministro Bruno Dantas, do Tribunal de Contas da União (TCU), sempre defendeu que os donos das empresas pilhadas na Lava Jato não poderiam continuar escapando. Ontem, o TCU bloqueou bens no valor de R$ 323 milhões dos donos da empreiteira Andrade Gutierrez.

Vazaram

Já residem no exterior há anos, desde o início da Lava Jato, vários acionistas controladores de grandes empreiteiras que multiplicaram seus lucros na safadeza generalizada dos governos de Lula e Dilma.

Impacto relativo

As delações da Odebrecht acrescentavam pouco ao caso do sítio de Lula em Atibaia. As provas que restam são ainda mais robustas que o processo do tríplex, que rendeu a Lula a sentença de 12 anos prisão.

Provas abundantes

Apesar da gentileza da Segunda Turma do STF, excluindo delações, restam documentos de gaveta, dezenas de testemunhas, fotos e notas fiscais que colocam Lula na cena do crime, como dono do sítio.

Abraço de afogados

O senador Ciro Nogueira (PI) e o deputado Eduardo da Fonte (PE) sempre foram muito ligados, mas brigaram. Fizeram as pazes recentemente, poucos dias antes de serem visitados pela Lava Jato.

Você mais pobre

Observando a chegada de dirigentes setor automotivo para reunião no Planalto, terça (24), um ministro da casa não resistiu: “O país vai ficar mais pobre…”. Vai mesmo: eles pediram a Temer nova renúncia fiscal.

Horror ao trabalho

O ócio leva políticos a ideias ocas. No DF, o deputado Chico Vigilante (PT) quer proibir o comércio de funcionar nos feriados, fixando até multa de R$ 2 mil para quem insistir em trabalhar e produzir.

Jeitão brasileiro

A reunião para discutir a privatização da Eletrobras foi suspensa ontem por 13 dias (!), por causa do feriado de 1º de maio, e remarcada para o dia 8. Mas o quórum que vale é… o de ontem.

Pensando bem…

…as chicanas de Lula ao STF viraram campeonato de futebol desorganizado: tem jogo três vezes por semana. Ninguém merece.