Sobram queixas

Alguns vereadores da base de governo de Jonas Donizette (PSB) estão tirando as manguinhas de fora e usam a tribuna para reclamar da atuação dos secretários do prefeito. O primeiro que se queixou, de forma raivosa, ontem foi o vereador Edson Ribeiro (PSL). Ele criticou o diretor do DU (Departamento de Urbanismo), Moacir Martins, que teria batido a porta na cara do seu filho que esteve no departamento para tratar de um alvará.

“Você bate a porta na cara do meu filho, mas na minha não bate… Se o senhor bater a porta na minha cara eu pego o senhor”, disse ele. Ribeiro acrescentou ainda “Ele (Moacir) tinha uma cupincha que disse que agendaria um atendimento para dali 15 dias e o Moacir estava do lado”, reclamou ele, de forma veemente na tribuna.

O tom de voz e a raiva de Ribeiro chamaram a atenção do líder de governo, Marcos Bernadelli (PSDB), que decidiu acrescentar Bolsonaro no nome do parlamentar. “Por causa da sua veemência foi chamá-lo de  Edson Bolsaro Ribeiro”, disse o tucano.

Bernadelli, porém, se dispôs a ir até o DU com Edson Ribeiro para aparar as arestas.

Já o outro que também reclamou foi o vereador Zé Carlos (PSB). A metralhadora desta vez atingiu a Secretaria da Saúde. Segundo ele, em setembro do ano passado pediu para que houvesse uma solução para a falta de compressores e aparelhos para inalação no PA (Pronto-Atendimento) São José. Ele disse que a promessa de solução dada a ele na época seria no mês de outubro de 2017. “Mas até agora nada foi resolvido. Tão brincando com a saúde de Campinas. E todo dia tem uma nova reclamação. Todo dinheiro da saúde vai para o ralo porque lá não tem gestão”, disparou o pessebista que é vice-líder do governo na Câmara.