INSS tem mais de 1 milhão de processos parados

Por Cláudio Humberto

O INSS tem paralisados atualmente 1,06 milhão de processos para concessão de benefícios, sem qualquer perspectiva de melhora. Dados oficiais mostram que o programa INSS Digital, criado sob justificativa de zerar a fila de pedidos, tem 323,8 mil processos em aberto. Se a área digitalizada é ruim, a “analógica” da papelada é até calamitosa: o número de pedidos de concessão pendentes ultrapassa 735 mil.

Vitimando idosos

As principais vítimas da burocracia preguiçosa do INSS são os de sempre: os idosos. Continuam sendo tratados abaixo de cão.

Ritmo de festa

Nos primeiros meses do ano, incluindo março parcialmente, foram 615 mil pedidos de benefícios, com apenas 163 mil (26%) finalizados.

São direitos

Auxílios doença e salários maternidade, que fazem a diferença nas vidas de milhares de pessoas, também são negligenciados no INSS.

Acabaram os números

São tantos processos acumulados que o INSS terá de mudar o sistema de análise: estão acabando os números de protocolo disponíveis.

Congresso imita STF e decreta ‘esticadão’ de folga

Senadores e deputados não ficariam para trás depois de, sem qualquer cerimônia, os ministros do Supremo Tribunal Federal mostrarem, na quinta (22), que estavam batendo em retirada para o “esticadão” de dez dias de “semana santa”. Uma lei autoriza os ministros do Estado laico a celebrar a partir de quarta (28) o feriado do dia 30, da Sexta-Feira. Como no STF, parlamentares só voltam ao trabalho na terça-feira (3).

Trabalhar pra quê?

A Câmara marcou para a terça (27) a definição das comissões da Casa, mas não havia deputados na cidade. Ficou para o dia 4. Talvez.

Ressalva

No STF só os ministros Celso de Mello, Dias Toffoli e Edson Fachin foram ao trabalho, na 2ª Turma, terça.
A outra turma não teve pauta.

Mesma coisa no Senado

O Senado nem sequer divulgou a agenda de trabalho desta semana de feriado. Suas excelências só voltam ao batente no dia 3.

Familiares ameaçados

O ministro Edson Fachin disse que a preocupação dele não é só com o julgamento de Lula, mas também com a família, que recebe ameaças. A morte de Teori Zavascki, mesmo acidental, provoca arrepios.

Quem manda na Caixa

Confirmado presidente da Caixa, Nélson Antônio de Souza, é escolha pessoal de um conterrâneo, senador Ciro Nogueira (PI), presidente do PP. Nélson é qualificado e experiente: presidiu o Banco do Nordeste.

Agora é oficial

Com a publicação ontem da decisão que manteve a condenação de Lula, o juiz Sérgio Moro já pode mandar o réu cumprir sua pena de 12 anos de prisão após o dia 4, caso o STF não lhe dê habeas corpus.

Livre para voltar

Relator do caso na 2ª turma do Supremo, o ministro Toffoli foi favorável ao fim da inelegibilidade de Demóstenes Torres, e Celso Mello acompanhou o voto. O ex-senador está liberado para se candidatar.

Tecnocracia fria

O deputado Rafael Motta (PSB) se espantou com a decisão do Banco do Brasil de fechar agências no Rio Grande do Norte e outros Estados do Nordeste. Nem bancos privados dão as costas à clientela assim. Até pelos lucros do BB, superiores a mais de R$11 bilhões só em 2017.

O dono do banco

O presidente do Banco do Brasil, Paulo Cafarelli, adora ignorar o governo. Como quando decidiu fechar as agências do BB em Portugal às vésperas de uma viagem oficial do presidente Temer a Lisboa.

Na rua contra Lula

O movimento Vem Pra Rua organiza atos em todo País no dia 3, véspera do julgamento do habeas corpus de Lula no Supremo Tribunal Federal. Cerca de 48 cidades já tinham confirmado participação.

Assinatura laranja

Manchete genial do Sensacionalista sobre a reação de petistas à série “O Mecanismo”, sobre a Operação Lava Jato: “Petista cancela Netflix, mas abre outra conta em nome de laranja”.

Pensando bem…

… mesmo com a inspiração da Páscoa, será difícil para o STF tirar coelhinhos (e argumentos) da cartola para salvar Lula da prisão.

ch
Contenido Patrocinado
Loading...
Revisa el siguiente artículo