STF cria ‘pizza provisória’ para manter Lula solto

Por Cláudio Humberto

Apesar da afirmação da ministra Cármen Lúcia de que o ex-presidente seria tratado como qualquer outro condenado, os ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) resolveram proteger Lula, condenado a 12 anos e 1 mês de cadeia por corrupção. Atropelando o Tribunal Regional Federal (TRF-4), a súmula 691 e o entendimento de todas as instâncias que negaram o benefício, o STF criou uma “pizza provisória”, proibindo a prisão do corrupto condenado antes do julgamento do habeas corpus.

Teatro da Justiça

Ministros do STF e advogados de Lula não pareciam surpresos com o a “pizza provisória” de ontem. Perplexidade só havia mesmo nas ruas.

Desculpa esfarrapada

O STF não julgará o habeas corpus na próxima semana, alegando o “feriado de Páscoa”. Que cai na sexta, quando raramente há sessões.

Dá uma canseira…

Com a sessão avançando na madrugada, disse Ricardo Lewandowski, a “matéria ficaria prejudicada”. E a Justiça também, faltou dizer.

STF ‘acovardado’

O movimento “Vem Pra Rua” não parou de reproduzir em Brasília, ontem, o áudio em que Lula chama o STF de “acovardado”. Humm…

Diplomata espancador de mulheres volta a atacar

Acusado em diversos casos de agressão a mulheres, até no exterior, o diplomata Renato de Ávila Viana foi denunciado outra vez à Polícia Civil do DF. Uma mãe contou terça (20) à 1ª DP, de Brasília, que a filha Rafaella de Melo Maciel, namorada de Renato, desapareceu em 13 de março em companhia dele. Jobeniva Livramento de Melo contou que o relacionamento da filha com Renato é “conturbado”, e que Rafaella disse sentir medo dele, relatando ter sido agredida por diversas vezes.

Duas ocorrências

É a segunda vez que a mãe de Rafaella denuncia o diplomata à polícia. O namoro iniciou em outubro e em dezembro houve a primeira queixa.

Remédios controlados

A mãe afirma que Rafaella faz uso de remédios controlados para o tratamento de transtorno de borderline, e tenta sua interdição na Justiça.

Agressão registrada

Agressão de Renato a Rafaella, segundo a mãe, foi
registrada até no livro de ocorrências do condomínio onde ele mora.

Impunidade garantida

Licenciado para “tratamento de saúde”, o diplomata Renato de Ávila Viana já se envolveu em pelo menos seis agressões a mulheres, mas nunca foi punido pelos colegas do Ministério das Relações Exteriores.

Líder indignado

O líder do blocão na Câmara, Arthur Lira (PP-AL), está revoltado com o governo Temer: descobriu que a aliança do ministro Maurício Quintella (Transportes) com tipos como Renan Calheiros foi obra do ministro Moreira Franco, em prejuízo dos aliados de Temer em Alagoas.

Nunca acaba

Ex-titular da Vara de Execuções Penais do DF, o juiz Ademar Silva Vasconcelos faz a pergunta que não se cala: “Quase todos os usuários reclamam das operadoras de telefonia, exceto presidiários. Por quê?”

Povo contra os Correios

Em apenas quatro dias, já reúne mais de 19 mil assinaturas o abaixo-assinado no site Change.org contra o aumento abusivo dos Correios de até 51%, no frete dos produtos comprados pela internet.

Nenhuma novidade

Os leitores da coluna sabem há semanas o que jornalões descobriram ontem: a existência da Súmula 691, afinal rasgada ontem, que veda ao STF conhecer habeas corpus negado em outro tribunal superior.

Tudo normal

Quando viram o ministro Roberto Barroso sair do almoço no restaurante Le Jardin, do Cube de Golfe de Brasília, curiosos notaram que seu carro oficial, um Hyundai Azera, não tem placa verde e amarela, como dos demais. Consultaram o aplicativo Sinesp Cidadão: a placa não é fria.

Lula preso

O “Pixuleco”, boneco que representa Lula vestido de presidiário com número “13-171” na camisa foi apreendido ontem pela polícia, em Brasília. “Desobedeceram a ordem de não inflar”, explicou a PM-DF.

Tipo celebridade

No calor das discussões do julgamento que acabou em “pizza provisória” para o ex-presidente Lula, ministros do Supremo foram vistos em conversas paralelas cobrindo a boca para evitar leitura labial.

Pensando bem…

…com o adiamento da sessão para julgar em definitivo o habeas corpus do petista, Lula venceu no Supremo pelo cansaço… dos ministros.

Poder sem pudor: Consumidor distraído

Participando de uma excursão parlamentar a Nova York, o deputado Germano Rigotto (PMDB-RS) chamou os colegas para acompanhá-lo à conhecida loja Macy’s. Queria comprar umas roupas. Vaidoso, acabou impacientando os deputados com a demora na escolha. Decidiu ir embora. Já de saída, ele se voltou para o atônito vendedor, cheio de roupas penduradas nos braços, e gritou em bom sotaque gaúcho:

– Guarda tudo que volto amanhã, tchê!

O vendedor nada entendeu, nem os colegas de Rigotto, que até hoje não sabem se ele brincava ou esqueceu que ali o idioma era outro. 

Contenido Patrocinado
Loading...
Revisa el siguiente artículo