A busca de Hollywood por um mundo mais diverso

A busca de Hollywood por um mundo mais diverso
Por Omelete

A esta altura, você já pode até ter esquecido quem ganhou ou não o Oscar na madrugada de domingo para segunda. Mas o mais importante que aconteceu foram as mudanças propostas no mais comentado discurso da noite, de Frances McDormand.

A ganhadora do troféu de Melhor Atriz, por “Três Anúncios para um Crime”, pediu para que todas as mulheres indicadas no Oscar 2018 ficassem de pé, para serem notadas pelos executivos presentes. “Todas nós temos histórias para contar e projetos para financiar […] Nos convidem para seus escritórios ou venham aos nossos e contaremos tudo sobre eles”, disse ela.

Ao final, McDormand, deixou duas palavras no ar: “inclusion rider”. O termo, que pode ser traduzido como “cláusula de inclusão”, indica que todos em Hollywood tenham em seus contratos de trabalho o direito de pedir equipes com diversidade de gênero e raça.

Em visita ao set de “Uma Dobra no Tempo”, em fevereiro de 2017, já vimos isso em prática. A diretora Ava DuVernay, uma das cabeças do movimento Time’s Up, tinha ao seu redor o mais diverso grupo de pessoas visto trabalhando. Foi um dos pedidos feitos por ela quando assumiu a adaptação do livro. E, surpresa (!), tudo funcionava perfeitamente!

Coluna Omelete 7 de março de 2018