Eles não arrumam a própria cama

Por Ivana Moreira

Uma pesquisa da Plan International, realizada com meninas de 6 a 14 anos no Brasil, identificou que elas são as principais responsáveis pelo trabalho doméstico em casa. Enquanto 81,4% das meninas arrumam a própria cama, apenas 11,6% dos meninos fazem a mesma tarefa. Entre as garotas, 76,8% lavam louça, mas somente 12,5% dos garotos realizam essa função. Estudos como este mostram que os estereótipos de gênero aparecem logo na infância, consolidando crenças generalizadas sobre o que é papel de mulher e o que é papel de homem na sociedade.

Estereótipos perigosos

Muitos especialistas em comportamento infantil acreditam que esses estereótipos de gênero prejudicam o desenvolvimento das crianças, causando insegurança e baixa autoestima. Um dos mais graves, apontam eles, é aquele sobre menino ser forte e não poder chorar, enquanto menina é frágil e por isso pode chorar, ser manteiga derretida. Mas há outros tão perigosos quanto: que menino pode brincar na rua e se aventurar, mas menina deve ficar dentro de casa brincando de boneca e se comportar como uma mocinha.

Feministas no trabalho, machistas em casa

Segundo Cris Kerr, que é idealizadora do Fórum Mulheres em Destaque, a crença de brinquedos e a forma de educar podem refletir na orientação sexual dos filhos leva os pais a perpetuarem conceitos dos quais eles próprios discordam. Por isso é tão comum encontrar mulheres que esperam ser tão respeitadas quanto os colegas de trabalho homens mas que, dentro de casa, se flagram sendo mães machistas.

Atitudes simples que transformam

Segundo Cris Kerr, o mais importante para mudar o resultado de pesquisas como esta sobre trabalho doméstico, feita pela Plan International, é conscientizar os pais a respeito da importância do que propõe para suas crianças, em atitudes simples do dia a dia. Meninos e meninas devem colaborar de forma igual nas tarefas de casa. Garotas devem ser estimuladas a serem grandes profissionais e garotos devem ser incentivados a compartilhar sentimentos e emoções.

Contenido Patrocinado
Loading...
Revisa el siguiente artículo