Será que alguém te conquistará?

Faltam mais de 250 dias para a eleição. Parece muito tempo, mas quando piscarmos chegou o dia 7 de outubro. Muito tem se falado sobre prováveis candidatos a governador, mas o cenário ainda é muito nebuloso. No campo da direita, não faltam movimentos de políticos. Eduardo Paes já disse que quer disputar, mas até agora não oficializou, pois precisa definir se permanece no desgastado PMDB fluminense e também avaliar o desgaste de imagem com os próximos passos da Lava Jato. Índio da Costa tem um acordo para ser o candidato do prefeito do Rio Marcelo Crivella (PRB). Está certo de que vai se lançar pelo PSD e busca outras alianças. Vale conferir se o alcaide manterá a palavra dele.

Algum representante da família Bolsonaro (agora no PSL) marcará presença. Flávio ou Carlos, sendo o segundo mais provável.

César Maia (DEM) ainda é uma incógnita. Com experiência em finanças, poderá tentar voltar ao Executivo aproveitando a força do filho no cenário nacional. Ou, então, uma vaga de senador pode ser a alternativa.

O outsider e nome mais badalado até agora é o de Bernardinho, ex-técnico de vôlei. Tem visitado federações, como a Firjan, tem se reunido com figuras importantes do Rio, fez até artigo recentemente para o jornal “O Globo”. Ainda não oficializou, mas claramente se coloca como candidato. Com grande admiração dos brasileiros, resta saber se conseguiria repetir o sucesso das quadras no Palácio Guanabara.

Também cria do esporte, Romário sempre ameaça se lançar ao ataque como opção no plano Executivo, mas poucos acreditam que vai efetivar mesmo. Já Anthony Garotinho (PR) está pronto de meião e chuteira, porém resta saber se a Justiça Eleitoral o permitirá participar. Caso não consiga, a filha dele Clarissa Garotinho poderia pintar representando a família.

Na esquerda, devemos ter o professor Tarcísio Motta, pelo PSOL, voltando aos palanques depois de beirar os surpreendentes 9% na candidatura de 2014. O PT ainda precisa se decidir. Chegou-se a falar até no nome do chanceler Celso Amorim, mas nada que tenha evoluído.

Veja que todos ainda flutuam nas nuvens e aguardam que o céu fique mais claro. Lançam os nomes, negociam com partidos e esperam as pesquisas para tomar decisões.

Opções não vão faltar. Resta saber se alguma vai conquistar seu coração. Ainda mais os corações dos fluminenses amargurados, machucados e raivosos depois de tanta corrupção, má gestão e abandono do Rio.