Físico, psicológico e mediocridade

Por Cadu Doné

Há diversas camadas que compõem o domínio do futebol europeu de elite – no que se refere aos clubes – sobre o da América do Sul. A principal delas segue sendo a técnica/financeira: seleções mundiais, quantidade exponencialmente maior de craques… Aquele papo de sempre. Possível também seria falar de uma superioridade tática, intelectual; sem idealizar o que vigora no Velho Continente como um todo, deixando claro que me atenho aqui a um grupo seleto, ao suprassumo de lá, cabe salientar, sim, que a vanguarda no campo da filosofia do jogo, da estratégia, se encontra na Europa. Existe um elemento menos óbvio, pouco falado, contudo – e este se relaciona intricadamente com os dois que já citei –, que também me parece fazer parte desta equação.

Enquanto no Brasil nos acostumamos a adiantar jogadores de origem mais defensiva em nome de times teoricamente “mais consistentes”, na Europa tornou-se extremamente comum o movimento inverso: peças talentosas, ofensivas, em prol das suas equipes, passaram a atuar mais recuadas; com mais consciência tática, participação no combate. A ideia por trás desta concepção é reunir a maior quantidade possível de talentos entre os titulares, sem perder o equilíbrio, a competitividade.

Ramiro no Grêmio; Bruno Silva no Botafogo; Elias – em boa parte do ano, mas nem sempre – no Atlético; de certa maneira – embora o caso seja consideravelmente diferente dos outros listados –, Robinho, no Cruzeiro: apenas alguns exemplos de volantes (ou de caras que poderiam sê-lo) que, adiantados, viraram meias-ofensivos pela direita – em nenhuma dessas situações, diga-se, penso que dá para falar em erros dos treinadores; mas que elas merecem ser vistas como sintomas de um todo, de um contexto mais amplo, de determinadas carências, culturas…

Numa adaptação por diversos prismas exatamente inversa, eis nomes de armadores, de meias bem ofensivos que, recuados, se transformaram em “volantes” – é preciso relativizar a nomenclatura, por isso o uso das aspas; futebol foge a rótulos das mais incontáveis maneiras; fato é que todos estes atletas que serão arrolados atuam à frente do único companheiro claramente de mais marcação do meio-campo dos seus respectivos times, de modo assaz dinâmico: Kroos, Modric, David Silva, De Bruyne… Em muitos momentos, Pastore, Di Maria e Draxler. No Liverpool, em algumas ocasiões, Klopp chegou a utilizar Coutinho assim. Götze no Borussia. E a lista poderia continuar…

Em todos esses casos, os talentosos que passaram a jogar mais recuados, de forma taticamente, de certo modo, mais completa, mostraram dois atributos: capacidade física para a concretização de trabalhos mais dinâmicos do que aquele que associamos, por exemplo, aos de meias centrais de um 4-2-3-1, no Brasil – ou simplesmente de armadores clássicos, em geral; de meias que enxergamos como peças de beirada claramente ofensivas… –, e compreensão, disposição para se “sacrificarem”, se adaptarem em benefício do coletivo.

Contenido Patrocinado
Loading...
Revisa el siguiente artículo