Ser Jovem, mas independente

Nós somos um país de jovens, mas estamos em mutação. Daqui a 10 anos, seremos um país de idosos. Mesmo com as estatísticas de casamento não tendo caído, a de divórcio aumentou e a de natalidade diminuiu muito. Essa estatística nos aponta várias conclusões, mas quero ressaltar a importância de cada jovem começar, desde agora, a assumir suas responsabilidades e independência, pois serão, certamente, a sustentação do nosso país.

Na contrapartida desse fato, temos a geração “nem-nem” milênios, pessoas que estão presas ao prazer e ao retorno imediato, estão acostumadas a respostas rápidas das redes sociais. Por isso, adiam cada vez mais sua saída de casa e sua independência. Permanecem em busca de algo que nem para elas está muito claro. A boa vida e as mordomias adquiridas podem ter uma explicação simples: os pais muitas vezes trabalham muito e pouco tempo possuem para conversar com os filhos. Por isso, compensam com esse status quo. Acreditam que seu filho pode estudar o quanto quiser, e eles  vão sustentá-los e apoiá-los.

Nesse contexto, surgem adolescentes imaturos e com pouquíssimas habilidades para o trabalho. Demoram de um a dois anos a mais para se formarem e nunca buscam, nesse período, experiência profissionais, ou sequer possuem responsabilidades em casa.

Para voltarmos a fazer o Brasil crescer, o caminho será buscar arregaçar as mangas e colocar, em prática no dia a dia, todo os arcabouços teóricos adquiridos nos anos de estudo. Estar na universidade, formar ou fazer tudo o que os professores solicitam pode não levar ao emprego dos sonhos. Serão necessárias outras competências, e uma delas é ser mais independente, mais autônomo.

O mundo profissional está cada dia mais exigente e necessitado de experiência, de soluções rápidas e práticas que nos bancos universitários por vezes não são possíveis.

Se você quer começar agora a buscar uma carreira, deve, sim, começar estudando muito, cada vez mais. Contudo, não esqueça de fazer, de experimentar, de colocar em prática, de criar histórias e deixar um rastro para poder contar.