Não será fácil

Depois de aprovar ontem em primeira discussão a limitação de inclusão de datas comemorativas no calendário oficial de Campinas, a Câmara de Vereadores vai agora analisar na próxima quarta-feira, projeto de lei que determina um prazo de dois anos para que os homenageados busquem os títulos. Se não fizeram, a honraria será revogada. Além disso, também veta a criação de honrarias de cunho religioso. O objetivo é reduzir a banalização. Muitos homenageados sequer buscam os diplomas, por exemplo. Ontem, os parlamentares decidiram que partir de agora para que uma nova data seja instituída, será preciso o aval de audiências públicas, com as presenças de entidades e associações relacionadas ao assunto. “Nós temos muitas datas, mas sempre somos surpreendidos por novas propostas”, disse o vereador Luis Rossini (PV), um dos autores da proposta. Hoje, o calendário oficial de Campinas tem nada menos que 540 datas comemorativas – que ocupam o calendário inteiro uma vez e meia. Outras 47 foram propostas só este ano.

Uber
O plenário da Câmara aprovou ontem o pedido de urgência na votação do projeto que regulamenta o uso dos aplicativos nos sistema de transporte de passageiros em Campinas. Com isso, a primeira votação (legalidade) vai acontecer já no dia 13. A segunda (mérito) está marcada para o dia 27, por conta do feriado da Consciência Negra. O vereador Gustavo Petta (PCdoB) votou contra a urgência. Disse que o Congresso está analisando o serviço e que seria mais prudente que a Câmara esperasse. Mas não adiantou. A tramitação mais rápida foi aprovada com quatro votos contrários. A proposta de Campinas desagrada as empresas que gerenciam os aplicativos.