Nunca se roubou tanto carro

Por Rodolfo Schneider

Os números de roubos de carros são os piores de que se tem notícia na história do Rio. Em alguns lugares da Baixada Fluminense, de cada 100 carros, rouba-se 8 veículos num prazo de um ano.

A média do Estado está perto de 4 carros roubados a cada 100 em um ano, enquanto a média nacional é de 1.

Nem durante o governo de Brizola o índice era tão ruim.

A informação é do Sindicato das Seguradoras do Rio.

E mais
Há ainda outro problema: as seguradoras estão desistindo de investir em rastreador porque tem jogado dinheiro no lixo. O equipamento mostra onde está o carro roubado, mas o poderio dos bandidos está tão grande e a polícia tão sem recursos que os PMs se recusam a entrar nas favelas.

Como se já não bastasse…
Depois de entrar no tráfico de drogas das favelas, o PCC começa a estender seus tentáculos no Rio para operação de postos de gasolina. Já há fortes informações de que a quadrilha paulista comprou um posto na zona norte em nome de laranjas, como já fazem há muito tempo em São Paulo.

NOTINHAS
Faz me rir. Sem ter abertura para renegociar a dívida do município com a presidente do BNDES, Maria Silvia Bastos, o prefeito Marcelo Crivella mudou a estratégia. Reuniu no Rio os 38 deputados da base do PRB e teria negociado com Temer os votos para aprovar a reforma da Previdência na Câmara Federal. Em contrapartida, pediu ao presidente intervenção junto ao BNDES para abrir a renegociação. Parece que o Banco já está tratando disso.

Recuperação. Combalido pela quimioterapia, o presidente da Alerj Jorge Picciani pretende aproveitar os 45 dias de interrupção do tratamento para participar da votação da Recuperação do Estado. O Governo conta com ele para aprovar o aumento da contribuição previdenciária de 11% para 14%. Depois da pausa, Picciani volta a fazer sessões de quimio e realiza a cirurgia de retirada do tumor de próstata.

Apaga a luz. Sem fazer novas compras, a RioLuz já está sem lâmpadas no estoque para substituir as queimadas pela cidade.

Contenido Patrocinado
Loading...
Revisa el siguiente artículo