Ameaça de morte gerou tensão no leilão de Libra

Por Tercio Braga

claudio-humbertoOs ministros Edison Lobão (Minas e Energia), José Cardozo (Justiça) e o diretor da Agência Brasileira de Inteligência, viveram momentos de tensão absoluta no leilão do campo de Libra, na segunda (21), no Rio de Janeiro. A inteligência da Polícia Federal obteve informação de que a estratégia dos ‘black blocs’ para ganhar repercussão internacional era fazer uma vítima fatal – policial ou manifestante – durante os protestos.

Terrorismo. O comitê-gestor ficou tão aflito com a ameaça de aparecer um cadáver, a qualquer momento, que o leilão se tornou secundário.

QG contra crise. Além dos ministros e da Polícia Federal, quatro generais de quatro estrelas foram escalados para compor o comitê responsável pelo leilão.

Fim do suplício. Após horas de sufoco, ministros comemoraram, aliviados, o resultado pífio do leilão, cujo vencedor foi o único a apresentar proposta.

Meu cargo, minha vida. Nas contas do PROS, pela regra atual, a bancada  — composta por 17 deputados em exercício – tem direito a 57 cargos de natureza especial.

Omissão. Ex-presidente da Bolívia, Jorge Quiroga reclama que presidenta Dilma ignorou sua carta, enviada em junho, pedindo ao Brasil para recorrer à OEA e ONU a fim de obter salvo-conduto para o opositor Roger Molina.

E agora? Na contramão do discurso ambientalista radical da ex-senadora Marina Silva, recém-filiada ao PSB, um terço da bancada do partido na Câmara integra atualmente a Frente Parlamentar da Agropecuária.

Pensando bem… …na privatização do Campo de Libra, no Rio, a balança pesou mesmo para a presidenta Dilma, que disparou nas pesquisas.

Conteúdo Patrocinado
Loading...
Revisa el siguiente artículo