Gleisi propõe liberdade de Lula para poupar gastos do Estado

Por Paraná Portal

A senadora paranaense e presidente nacional do Partido dos Trabalhadores (PT), Gleisi Hoffmann, disse, na tarde desta terça-feira (24), que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva seja solto para evitar gastos. A declaração vem em resposta ao pedido da Superintendência da Polícia Federal de Curitiba à Justiça para que Lula seja transferido do local onde está preso em Curitiba. Na petição, a PF aponta que cerca de R$ 300 mil serão gastos até o fim do mês com diárias de policiais, passagens e deslocamentos de pessoal de outras unidades para reforçar a segurança no local.

“Nós temos a melhor solução para que o Estado brasileiro não gaste e que acabe os problemas no sistema judiciário paranaense: soltem o Lula. Em qualquer lugar em que forem levar o presidente, a situação de acompanhamento dele, de requerimento de visitas e de movimentação política será a mesma. O presidente Lula é muito grande para ficar preso”, declarou Gleisi.

A petista também afirma que está receosa com o pedido de transferência do ex-presidente. Segundo ela, o movimento está apreensivo com a possível mudança para um local de difícil acesso. “Nós não queremos que o presidente vá para um isolamento maior. Ele está em uma situação de isolamento. Eles queriam prender o presidente Lula, trazer para Curitiba e agora não dão conta da grandeza do presidente? Eles sabiam que isso ia acontecer”, disse a senadora. “Não nos cabe definir o lugar para que vai o presidente Lula. Se não querem incômodo e não querem gastar, soltem o presidente Lula”, reafirma Gleisi.

Com o termo “isolamento”, a senadora quis dizer a negativa da juíza Carolina Lebbos, da 12ª Vara Federal de Execução Penal, sobre uma série de pedidos de visitas ao ex-presidente. Ontem, a magistrada indeferiu todos os pedidos de visita ao ex-presidente, incluindo um pedido de visita da ex-presidente Dilma Rousseff e da Comissão Externa da Câmara dos Deputados. Lula permanece recebendo familiares às quintas-feiras. Eles podem entrar na PF das 8h30 às 11h30 e das 13h30 às 17h30

Barrados de visitar e vistoriar a cela de Lula nesta terça-feira, o grupo de parlamentares anunciou que vai processar a juíza Carolina Lebbos, da 12ª Vara Federal de Curitiba. “Alguns juízes do Paraná como a Carolina Lebbos e o juiz Sergio Moro se sentem deuses. Ao proibir a entrada de uma presidente da República, de 11 governadores, um prêmio nobel da paz… ela se sente deusa. É uma perseguição política. Um processo de exceção… essa juíza hoje rasgou a Constituição Federal”, declarou o deputado federal Paulo Teixeira (PT-SP), membro da comissão.

Conteúdo Patrocinado
Loading...
Revisa el siguiente artículo