Estudantes criam mapa da divisão racial no país

Por: Fabiane Guimarães - Metro
 "Bairros considerados mais nobres têm concentração maior de pessoas brancas”, diz João Paulo Apolinário  | Marcelo Camargo/Agência Brasil “Bairros considerados mais nobres têm concentração maior de pessoas brancas”, diz João Paulo Apolinário | Marcelo Camargo/Agência Brasil

A relação entre a cor da pele e a situação socioeconômica dos brasileiros é revelada nos dados do censo realizado pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). Esse quadro fica evidente quando os dados são transformados em imagens, como no projeto do mapa racial realizado pelos estudantes João Paulo Apolinário, Rafael Viana e Tiago Gama. Em pouco mais de um mês, os três apresentaram uma ferramenta visual e interativa da distribuição de raças pelo país.

Os jovens se inspiraram no mapa racial feito nos Estados Unidos e utilizaram dados de 2010 do IBGE. Nas imagens, cada raça catalogada recebeu uma cor e cada ponto corresponde a uma pessoa. Os círculos aglutinam os pontos. Ao entrar no endereço onde  está disponível (www.patadata.org/maparacial/)  é possível encontrar e explorar as informações por cidade ou Estado. “Nosso objetivo era lançar uma visualização de informação pública”, explica João Paulo Apolinário, que estuda comunicação na UnB (Universidade de Brasília). Segundo ele, o trio evitou fazer qualquer tipo de análise profunda e sociológica, mas chegou a consensos.

“A ideia era deixar as pessoas verem e tirarem suas próprias conclusões, mas acaba que a gente vai vendo a divisão racial do país. Bairros considerados mais nobres têm concentração maior de pessoas brancas.”

Desde o lançamento, na semana passada, o site já teve 25 mil visualizações. “Temos visto as pessoas replicando nas redes sociais, olhando as suas cidades e discutindo as questões”, relata Paulo Apolinário.

Características

Para Rafael Viana, estudante de direito da USP, a segregação racial no Brasil ainda é menor do que a vista no mapa norte-americano, mas chama atenção o critério para a autodeclaração. “Dá para perceber que são poucas pessoas que se declaram pretas. A maior parte se diz parda.”

Fazendo o mapa

Os criadores do projeto utilizaram dois milhões de arquivos com informações geográficas sobrepostas de cada cidade. Os estudantes já pensam em novos projetos envolvendo o mapeamento de dados. “Muitas mudanças que podemos fazer na sociedade envolvem analisar as coisas de forma mais objetiva, fora do senso comum”, define Rafael Viana.

questao racial

Loading...
Revisa el siguiente artículo