Aeroportos continuam em reforma 5 meses após a Copa do Mundo

Por lyafichmann

Captura de Tela 2014-11-27 às 17.30.59Promessa de legado após a Copa no Brasil, a reforma e modernização de cinco aeroportos ainda estão emperradas. Somente três têm previsão de entrega para até 2016 e dois estão com menos de 15% das obras executadas.

No Galeão, no Rio de Janeiro, a previsão de entrega é para dezembro. Em Salvador, as novas salas de embarque do aeroporto internacional devem ficar prontas em maio de 2015. A ampliação do terminal de passageiros do Afonso Pena, em Curitiba, de 8,5 milhões para 14,8 milhões de passageiros por ano tem, está prevista para 2016.

Já em Fortaleza, as obras deveriam ter sido finalizadas em maio, mas estão paradas. Até agora, somente 15% dos R$ 336 milhões foram concretizados. Em Porto Alegre, a modernização do Salgado Filho, também prevista para maio de 2014, mal começou, apenas 5% foram concluídos.

Para o professor do Instituto Tecnológico de Aeronáutica, Cláudio Jorge Pinto Alves, muitas obras nem sairiam do papel se esses terminais ainda estivessem sob responsabilidade da Infraero. E o engenheiro da aeronáutica Jorge Eduardo Leal Medeiros avalia que a entrada de capital privado é mais eficiente. “Em um ano e meio, nós tivemos em Guarulhos a construção de um edifício-garagem, ampliação do pátio e a criação de outro terminal, que a Infraero não foi capaz de fazer em 13 anos.”

As mudanças já agradam os passageiros. “Melhorou muito. Tem muitas lojas de grife, restaurantes”, afirma a dona de casa Cleide Ramos. Mas a dificuldade para chegar nos aeroportos ainda é muito criticada pelos usuários. “Perco mais tempo no trânsito para chegar ao aeroporto”, diz o aposentado José Roberto, que costuma viajar de São Paulo a Ribeirão Preto em um voo de 37 minutos. O espanhol Miguel Velázquez também se incomoda: “Não tem trem nem metrô. Só táxi, que é caro.”

Conteúdo Patrocinado
Loading...
Revisa el siguiente artículo