Propinas pagas na Petrobras eram registradas em ata, afirma Youssef

Por fabiosaraiva
Youssef teve alta nesta quarta-feira | Sérgio Lima/Folhapress Youssef fez acordo de delação premiada | Sérgio Lima/Folhapress

Os suspeitos de envolvimento em desvios cometidos na Petrobras registravam em ata os valores a serem distribuídos no pagamento de propina a agentes políticos, para que empresas conseguissem firmar contratos milionários com a empresa. A afirmação foi feita pelo doleiro Alberto Youssef à Justiça, em seu acordo de delação premiada.

Segundo o depoimento do doleiro, os acertos de repasse da propina eram feitos em reuniões no prédio de uma empresa fantasma de Youssef, a GFD, que fica na zona sul de São Paulo. Tudo o que era combinado nas reuniões era registrado em uma ata, que detalhava os repasses a serem feitos, de acordo com o acusado.

Youssef acusa o presidente da empreiteira UTC, Ricardo Ribeiro Pessoa, de presidir o cartel de empresas que dividiam as obras na Petrobras. Segundo ele, Ribeiro também fazia a distribuição do dinheiro repassado a partidos e políticos.

O doleiro afirmou também que as empresas que não pagassem uma espécie de comissão ficavam de fora do esquema, e não conseguiam executar obras para a Petrobras.

Conteúdo Patrocinado
Loading...
Revisa el siguiente artículo