Depoimento de Fernando Baiano é adiado para sexta-feira

Por Carolina Santos
Fernando Baiano passou por exames de corpo de delito no Instituto Médico Legal de Curitiba | Geraldo Bubniak/AGB/Folhapress Fernando Baiano passou por exames de corpo de delito no Instituto Médico Legal de Curitiba | Geraldo Bubniak/AGB/Folhapress

O depoimento do lobista Fernando Soares, conhecido como Fernando Baiano, ligado ao PMDB, é adiado desta quarta-feira para sexta-feira em horário ainda não definido.

Fernando Baiano, o último a ser preso na Operação Lava Jato da Polícia Federal, passou por exames de corpo de delito nesta quarta-feira de manhã no Instituto Médico Legal de Curitiba.

O advogado de Fernando Baiano disse desconhecer o motivo do adiamento.

Leia também:
Executivo da Camargo Corrêa fica em silêncio em depoimento

Prestam depoimento, na tarde desta quarta-feira, o presidente da construtora Camargo Côrrea, Dalton dos Santos Avancini, e o presidente do Conselho de Administração da empresa, João Ricardo Auler.

A defesa de Avancini e Auler afirma não ter tido acesso ao processo e orienta os empreiteiros a responderem somente questões genéricas.

Executivos ficarão em silêncio

Segundo o advogado de defesa dos executivos da Camargo Corrêa, Celso Vilardi, o diretor-presidente da empresa, Dalton Avancini, e o presidente do Conselho de Administração, João Ricardo Auler, só irão colaborar com as investigações da operação Lava Jato se tiverem acesso aos documentos de delação premiada em que são acusados de pagar propina a diretores da Petrobras.

Os executivos foram presos na sétima fase da Lava Jato, deflagrada na última sexta-feira. Eles estão detidos na carceragem da superintendência da Polícia Federal no Paraná.

Segundo as investigações, as empreiteiras são acusadas por formação de cartel. Os executivos teriam combinado a participação nas licitações e concorrido com o preço máximo permitido. Em troca da garantia do contrato, pagam propina a diretores da estatal e pessoas ligadas a partidos políticos.

Villardi ressaltou que a prisão preventiva dos dois investigados foi decretada sem nenhum elemento novo na investigação e de forma antecipada. “Os meus clientes colaborarão com as investigações após a defesa ter ciência de todos os termos. É o mínimo que se exige do Estado Democrático de Direito”, disse.

Conteúdo Patrocinado
Loading...
Revisa el siguiente artículo