Em São Paulo, Aécio Neves vence em 48 das 58 zonas

Por Tercio Braga
No Estado de São Paulo, Aécio obteve uma dianteira de 6,8 milhões de votos em relação à presidente reeleita | Sergio Moraes/Reuters No Estado de São Paulo, Aécio obteve uma dianteira de 6,8 milhões de votos em relação à presidente reeleita | Sergio Moraes/Reuters

A cidade de São Paulo deu ao candidato derrotado Aécio Neves (PSDB) uma grande vantagem. O tucano, que obteve 63,8% dos votos totais da cidade, ganhou em 48 das 58 zonas eleitorais paulistanas. (veja o quadro no fim do texto)

As maiores votações foram no Jardim Paulista (86,68%), Indianópolis (86,53%) e Saúde (82,94%). Aécio ampliou o percentual em relação ao primeiro turno e reverteu cinco zonas eleitorais a seu favor – José Bonifácio,  Vila Jacuí, Teotônio Vilela, Capão Redondo e Brasilândia.

Dilma Rousseff (PT) só conseguiu se sair melhor do que o tucano em 10 zonas, a maioria nos extremos sul e leste. Sua maior votação foi em Cidade Tiradentes, onde conseguiu 60,95% dos votos. A seguir aparecem Parelheiros (60,28%) e Grajaú (60,03%).

No Estado de São Paulo, Aécio obteve uma dianteira de 6,8 milhões de votos em relação à presidente reeleita. Dos 645 municípios paulistas, 578 deram seus votos ao tucano. Dilma ganhou em 67. A petista perdeu até em São Bernardo, berço político do partido.

Em duas pequenas cidades do interior, a disputa foi decidida por um voto. Em Ipuã, Aécio teve 4.121 votos, ante 4.120 de Dilma. A cidade tem 10.828 eleitores. Em Narandiba (4.031 eleitores), Dilma ganhou com 1.546 votos. O tucano ficou com 1.545.

Barbie Fitness ataca petistas em vídeo no Facebook

Deborah Albuquerque, a Barbie Fitness | Reprodução/facebook Deborah Albuquerque, a Barbie Fitness | Reprodução/facebook

Um vídeo da atriz e jornalista Deborah Albuquerque, conhecida como Barbie Fitness, causou polêmica no Facebook anteontem, logo após a divulgação do resultado da eleição. Deborah criticou e xingou os 54,5 milhões de brasileiros que reelegeram a presidente Dilma Rousseff (PT).

“Quer saber? Me preparando para viajar para Orlando, onde mora meu pai, agente Fifa. Sou rica, bem sucedida, muito bem de vida e tentei ajudar vocês, miseráveis, imbecis, burros, que votaram na p**** da Dilma para ser reeleita”, atacou Deborah, que já havia declarado seu voto em Aécio Neves nas redes sociais.

A atriz finalizou dizendo não estar preocupada com críticas. “Querem parar de me seguir? Parem, eu faço questão. Estragaram o Brasil, m**** de petistas”, completou. O vídeo teve mais de 3,8 milhões de visualizações.

A eleição para presidente este ano no Brasil foi a mais comentada da história do Facebook em todo o mundo. Entre o início da campanha eleitoral e o segundo turno, a rede social recebeu 674,4 milhões de interações relacionadas ao pleito, segundo a empresa.

Até então, o maior número era o da eleição na Índia, também este ano, com 227 milhões de ações.

OAB repudia ataques a nordestinos

A OAB (Ordem dos Advogados do Brasil) repudiou ontem as manifestações discriminatórias contra nordestinos nas redes sociais  na noite de domingo, após a reeleição da presidente Dilma Rousseff (PT).

Moradores de outras regiões voltaram a atacar pessoas que moram no Nordeste, que seriam os “culpados” pela derrota do candidato Aécio Neves (PSDB).

“Esses nordestinos que votaram no PT são os mesmos que vão a SP, governado pelo PSDB, em busca de uma vida melhor. Povo ignorante”, publicaram vários usuários do Twitter.

Em resposta, internautas do Nordeste passaram a publicar a hashtag #SoudoNordesteMesmoEComOrgulho, que ficou no topo dos Trending Topics no Brasil.

A seca que atinge o Estado de São Paulo também foi usada para atacar os paulistanos. “Brindando aqui no Nordeste com a vitória da Dilma com uma bebida deliciosa chamada água”, postou uma mulher. Outros usuários relembraram o caso da estudante de direito Mayara Petruso, condenada em 2012 por postar a frase “Faça um favor a SP, mate um nordestino afogado!” no Twitter, na época das eleições de 2010.

A OAB pede para que o cidadão que se sinta ofendido ou que testemunhe atos de preconceito denuncie o problema. De acordo com a ONG Safernet Brasil, as denúncias cresceram 342,03% no 2º turno das eleições, em relação ao 1º turno. Passaram de 69, dia 5, para 305,  no domingo.  

votos-na-capital

Loading...
Revisa el siguiente artículo