Roubar dinheiro da saúde pública é crime hediondo, diz Natalini

Por Carolina Santos
Natalini durante o debate da Band | Paulo Pinto/ Fotos Públicas Natalini durante o debate da Band | Paulo Pinto/ Fotos Públicas

O candidato ao governo de São Paulo Gilberto Natalini (PV) foi entrevistado pela BandNews FM nesta terça-feira. Ele afirmou que, caso seja eleito, vai controlar com mão de ferro a gestão do dinheiro, evitando o desperdício e a corrupção.

“Roubar dinheiro público é crime terrível. Roubar dinheiro da saúde pública é crime hediondo, devia dar prisão perpétua.”

Segundo Natalini, falta dinheiro para o SUS (Sistema Único de Saúde). “Uma Santa Casa gasta R$ 100 num paciente e recebe R$ 60 do SUS, fica devendo R$ 40 todo mês – um total de R$ 4 milhões por mês. O grande vilão é o governo federal, que tira o time e joga nas costas dos governos e municípios”.

Ouça à entrevista:

“No governo do Partido Verde, queremos em quatro anos ampliar de 12% para 15% os investimentos em Saúde. Também queremos investir mais em atendimento hospitalar, além de cobrar do governo federal”, prometeu o candidato.

Crise hídrica

Outro assunto abordado pela BandNews FM foi a questão da crise hídrica em São Paulo. Nesta terça-feira, o volume morto da represa reduziu ainda mais o nível, ficando abaixo dos 11%.

“O racionamento já está sendo feito e não está sendo chamado de racionamento. O governo está preocupado com voto e, depois da eleição, podemos entrar em uma situação difícil”, denunciou o candidato Gilberto Natalini.

“Na visão do PV, a crise da água é muito mais funda do que podemos imaginar. Mudanças climáticas e regime de chuva têm mudado no mundo inteiro e isso não é levado em consideração em São Paulo”.

Ele ainda defendeu rapidez em obras: “Nós temos que nos preparar de verdade porque a água daqui para frente vai ser cada vez mais difícil. Voar com obras de captação e de reservatórios maiores”.

São Paulo não tem dinheiro para educação integral

O candidato ao governo de São Paulo pelo PV (Partido Verde), Gilberto Natalini, afirmou nesta terça-feira, em entrevista à BandNews FM, que o Estado não possui dinheiro para colocar todos os alunos no horário integral de um dia para o outro. Ele propõe uma mudança a longo prazo para a questão da educação.

“Nós queremos manter as crianças na escola das 8h às 17h. Queremos propor aulas de contra turno, com atividades culturais, esportivas, que complementem a educação. Vamos manter as crianças na escola, inclusive, aprendendo sobre educação ambiental.”

Segundo Natalini, a mudança para o turno integral será “vagarosa”.

Economia Sustentável

Durante a entrevista, ele afirmou que São Paulo é o maior plantador de cana-de-açúcar do Brasil, com 105 usinas de açúcar e produz uma quantidade imensa de bagaço de cana.

“Se usássemos esse material, se o governo estadual e o federal criassem uma linha para construir usinas elétricas usando a biomassa do bagaço, nós produziríamos em um ano, a mesma energia que Itaipu produz”, propôs.

Para explicar melhor, ele citou uma cidade do interior paulista: “Em Ribeirão Preto, 27% da energia criada vêm do bagaço de cana-de-açúcar. Nós queremos desenvolver em São Paulo uma grande matriz de energia solar em São Paulo”.

Outros temas

Para Natalini, “o crime organizado tem braços do parlamento, executivo, judiciário. Os governos são muito frouxos com essas quadrilhas. Muitas vezes, os chefes das quadrilhas comandam os grupos com celulares de dentro das cadeias”.

Segundo o candidato, “o PV acha que deve agir para desmantelar o crime organizado e, assim, dar mais tranquilidade para a população”.

Questionado, por fim, sobre a legalização da maconha, ele afirmou que, como médico, não é favorável ao uso das drogas lícitas ou ilícitas. “A questão da maconha é uma falsa questão, é preciso estar atento também ao álcool e o tabaco. Mas não sou a favor da criminalização de um menino com um pouco de maconha no bolso”.

Leia também:
Maringoni promete ‘reestatizar’ Sabesp para conter crise hídrica

Loading...
Revisa el siguiente artículo