José Serra diz que intimação pela PF tem ‘motivação política’

Por Carolina Santos
Serra é candidato ao Senado pelo PSDB | Valter Campanato | ABr Serra é candidato ao Senado pelo PSDB | Valter Campanato | ABr

O ex-governador do Estado de São Paulo e candidato ao Senado, José Serra (PSDB), afirmou nesta quinta-feira que a intimação da PF (Polícia Federal) para que ele deponha sobre o cartel de trens (entre 1998 e 2008), revela, neste período eleitoral, uma “motivação política”.

Para ele, é muito estranha sua inclusão no inquérito “sobretudo depois que o Ministério Público Estadual, e até o procurador-geral de Justiça, arquivaram a mesma investigação”, disse, em nota.

A PF agendou o depoimento para o dia 7 de outubro – dois dias após o primeiro turno das eleições.

O tucano deverá esclarecer  a suspeita de ter atuado a favor das multinacionais CAF e Alstom. A denúncia de cartel partiu da Siemens, como parte do acordo de leniência no qual a empresa alemã assumiu ter participado de acertos em licitações do Metrô e da CPTM no Estado.

No inquérito conduzido pelo delegado Milton Fornazari Júnior, três das sete concorrências sob investigação foram realizadas durante a gestão de Serra (2007-2010).

Além do tucano, outras 44 pessoas serão ouvidas pela PF. Também foram convocados o ex-secretário dos Transportes Metropolitanos José Luiz Portella, o atual presidente da estatal CPTM, Mário Bandeira, e o ex-presidente do Metrô Sérgio Avelleda. 

Conteúdo Patrocinado
Loading...
Revisa el siguiente artículo