Técnicos dos EUA ajudam nas investigações do acidente

Por Carolina Santos
O avião atingiu uma área residencial em Santos | Paulo Whitaker/Reuters O avião atingiu uma área residencial em Santos | Paulo Whitaker/Reuters

Já está no Brasil o chefe de segurança aérea da National Transportation Safety Board (NTSB), Tim Monville, para participar das investigações sobre o acidente aéreo que matou, na quarta-feira (13), em Santos (SP), o candidato à Presidência da República, Eduardo Campos (PSB). Como o acidente envolve uma aeronave norte-americana, o Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (Cenipa) teve de acionar a NTSB, autoridade norte-americana responsável por investigar acidentes aéreos, conforme prevê a Organização Internacional da Aviação Civil.

Leia também:
•Caixa-preta não gravou áudio do voo de Campos, diz FAB
Piloto que viu acidente relata queda do avião de Campos

Monville ajudará os técnicos do Cenipa e da empresa fabricante da aeronave, Cessna Aircraft Company, a elucidar o acidente que resultou na morte de Campos e outras seis pessoas. Na sexta-feira, a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) informou que a aeronave estava com a Inspeção Anual de Manutenção e o Certificado de Aeronavegabilidade válidos e que a última verificação anual completa das manutenções foi executada em fevereiro deste ano.

Ainda segundo a Anac, a aeronave em que viajava o candidato do PSB não poderia decolar sem o gravador de voz ativado, e que, embora não seja um item de segurança, o equipamento deve ser obrigatoriamente checado pelo comandante antes do início do taxiamento, conforme manual de operação do fabricante da aeronave.

O manual também estabelece que o cockpit voice recorder (CVR) deve ser verificado a cada 150 horas de voo ou 24 meses, o que ocorrer primeiro. De acordo com a Aeronáutica, o gravador de voz do jato Cessna 560XL não registrou as conversas ou sons ambientes em seu o último voo. Há apenas áudios gravados em voos anteriores.

A aeronave tem capacidade para nove passageiros. Apesar de ser propriedade da Cessna Finance Export Corporation, ela era operada pela empresa privada AF Andrade, por meio de arrendamento operacional (leasing), conforme Registro Aeronáutico Brasileiro.

Dentista de Campos diz que corpos foram pulverizados

O dentista Fernando Cavalcanti, que atendia Eduardo Campos há 25 anos, disse nesta sexta-feira que não foi possível fazer o reconhecimento do corpo do ex-governador de Pernambuco pela arcada dentária. Segundo ele, as vítimas do acidente aéreo de quarta-feira (13) em Santos, no litoral paulista, só serão identificadas com exames de DNA.

“Vão ter que armar um quebra-cabeças e vão ter que montar. Os corpos foram pulverizados. É um trabalho difícil de quebra-cabeças. Infelizmente não encontraram corpos, encontraram partes de corpos. Foi impossível identificar, porque não temos sequer a arcada, pelo estrago em que estava [o local]. Levei a documentação, radiográfica completa, mas, infelizmente a explosão foi muito grande”, explicou o dentista, que é casado com uma prima de Renata Campos, viúva do ex-governador e candidato à Presidência da República pelo PSB.

Cavalcanti esteve hoje na casa da família de Eduardo Campos. Desde o acidente, Renata e os cinco filhos têm recebido visitas de parentes e amigos, além de políticos, na casa da família, que fica no bairro Dois Irmãos, no Recife.

Conteúdo Patrocinado
Loading...
Revisa el siguiente artículo